Canadá dará residência temporária a bloqueados por decreto de Trump

Ottawa, 29 Jan 2017 (AFP) - O Canadá anunciou que vai oferecer residência temporária às pessoas que ficaram bloqueadas no país, devido à recente proibição migratória do presidente americano, Donald Trump, para pessoas procedentes de sete países de maioria muçulmana, disse neste domingo o ministro da Imigração, Ahmed Hussen.

Hussen, que falou em coletiva de imprensa, não disse quantas pessoas ficaram bloqueadas no Canadá depois de Trump suspender, na sexta-feira, a entrada de refugiados nos Estados Unidos durante 120 dias, bem como a entrada de cidadãos de Irã, Iraque, Síria, Iêmen, Sudão, Somália e Líbia por 90 dias.

O ministro também disse que Washington havia garantido a Ottawa que os canadenses com dupla nacionalidade de alguns dos países atingidos pela medida não seriam afetados pelo decreto promulgado na sexta-feira.

Trump suspendeu a entrada aos Estados Unidos por 120 dias de todos os refugiados e dos cidadãos de Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen durante três meses.

No sábado, o premiê Justin Trudeau já tinha saudado a chegada de imigrantes ao Canadá, marcando uma forte diferença com o decreto de Trump.

"Os canadenses damos as boas vindas àqueles que fogem da perseguição, do terror ou da guerra, independentemente dfe sua fé. A diversidade é a nossa força #WelcomeToCanada [bem-vindos ao Canadá]", escreveu Trudeau no Twitter.

Uma em cada cinco pessoas que moram no Canadá é de origem estrangeira, segundo o último censo de 2011.

O Canadá recebeu mais de 39.670 refugiados sírios entre novembro de 2015 e o começo de janeiro passado, segundo cifras oficiais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos