Obama denuncia 'discriminação' baseada em 'crença ou religião'

Washington, 30 Jan 2017 (AFP) - O ex-presidente americano Barack Obama apoiou os protestos em todo o país contra a nova política migratória do governo de Donald Trump e denunciou a discriminação por razões religiosas - disse seu porta-voz Kevin Lewis.

Obama "tem uma divergência fundamental com a ideia de discriminação contra pessoas por sua fé, ou sua religião", informou Lewis no Twitter.

De acordo com Lewis, o ex-presidente se sente "comovido pelo nível de compromisso que tem acontecido em todo o país", em uma referência aos protestos pelas restrições impostas pelo governo à chegada de refugiados e cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

Obama - acrescentou Lewis - considera que ver cidadãos "exercendo seu direito constitucional de se reunir, organizar-se e fazer que suas vozes sejam ouvidas é exatamente o que esperamos ver quando os valores dos Estados Unidos estão sob ataque".

Essa é a primeira manifestação pública, embora indireta, do ex-presidente Obama, que em 20 de janeiro passou a Presidência do país a Trump e saiu de férias com a família.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos