Chile conseguiu 'reduzir significativamente' avanço dos incêndios, diz Bachelet

Santiago, 31 Jan 2017 (AFP) - O Chile conseguiu "reduzir significativamente" a expansão dos incêndios florestais mais devastadores da história do país e, agora, concentra-se na reconstrução das zonas afetadas - anunciou a presidente Michelle Bachelet nesta terça-feira (31).

Depois de o fogo queimar quase 380.000 hectares em seis regiões, a situação se mantém "grave". Graças ao aumento da capacidade de combate, foi possível, contudo, "reduzir significativamente a expansão" dos incêndios", destacou Bachelet.

O governo informou que cerca de 20 pessoas permanecem detidas por suspeita de iniciar e propagar os incêndios florestais.

No Chile, historicamente mais de 90% dos incêndios florestais são provocados pela ação humana.

A Promotoria da região de O'Higgins (centro), onde mais de 50.000 hectares foram arrasados, aponta o mau estado da rede elétrica como uma das possíveis causas da propagação das chamas.

Os incêndios provocaram a morte de 11 pessoas no centro e no sul do Chile e a destruição de 1.025 casas, afetando 3.782 chilenos, segundo o primeiro boletim do Escritório Nacional de Emergência (Onemi) divulgado nesta terça-feira (31).

Bachelet destacou a grande mobilização das equipes de emergência, apoiadas por 42 aeronaves, entre elas dois dos maiores aviões-tanque do mundo, enviados pelos Estados Unidos e pela Rússia.

O Chile recebeu ajuda de vários países vizinhos e de outros mais distantes, como a Rússia, para enfrentar a onda de incêndios que se estendeu do centro ao sul do país.

A presidente ressaltou que, nas zonas em que as chamas foram extintas, as "atividades de reconstrução" já começaram, mantendo o apoio aos afetados, que continuam recebendo alimentos, água, combustível, colchões e outros produtos de primeira necessidade.

Acompanhada de membros de ONGs que apoiam o combate ao fogo, Bachelet fez um apelo à manutenção do ímpeto dos voluntários, que se lançaram em massa às regiões centrais de O'Higgins e Maule, e a de Biobío, no sul, as mais atingidas.

"Estou convencida de que, com a força de todas e todos, trabalhando lado a lado, vamos superar esse momento, e as famílias que foram afetadas vão poder voltar a se levantar", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos