Chefe da Otan pede que Rússia atue ante aumento da violência na Ucrânia

Bruxelas, 1 Fev 2017 (AFP) - O secretário-geral da Otan pediu nesta quarta-feira para que a Rússia atue frente ao "sério aumento" da violência na Ucrânia, onde os 20.000 habitantes de Avdiivka são ameaçados pelos confrontos entre separatistas pró-russos e soldados ucranianos.

"Pedimos à Rússia que use sua considerável influência sobre os rebeldes para a acabar com a violência", declarou Jens Stoltenberg, para quem a Ucrânia vive "a mais grave escalada de violência em muito tempo" com mais de 5.600 violações do cessar-fogo na semana passada.

As declarações de Stoltenberg em Bruxelas ocorrem após a multiplicação dos combates no leste da Ucrânia, os mais intensos desde o estabelecimento de uma trégua no final de dezembro e que deixaram 19 mortos desde domingo.

Stoltenberg estimou que a situação humanitária em Avdiivka é "terrível". "Fazemos um apelo para um retorno imediato ao cessar-fogo e retirada de todas as armas pesadas proibidas pelos acordos [de paz] de Minsk", acrescentou.

A população de Avdiivka, cidade industrial controlada pelas forças de Kiev cerca de 10 km ao norte de Donetsk, não têm eletricidade e a água corrente é cortada regularmente. O aquecimento também é esporádico, com temperaturas caindo para -12ºC.

O conflito na Ucrânia, iniciado há quase três anos, deixou cerca de 10.000 mortos. Kiev e as potências ocidentais acusam Moscou de apoio financeiro e militar aos rebeldes pró-russos, o que a Rússia nega.

bur-tjc/mb/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos