Netanyahu tira proveito de chegada de Trump ao poder

Jerusalém, 1 Fev 2017 (AFP) - A posse de Donald Trump tem sido uma "ótima oportunidade" para o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Veja uma lista de decisões e declarações israelenses desde 20 de janeiro, dia da posse de Trump.

20 de janeiro: 'Meu amigo'"Felicitações a meu amigo, o presidente Trump. Alegro-me com a ideia de trabalhar em estreita colaboração com você para fazer a aliança Israel-EUA mais forte do que nunca", tuitou Netanyahu no dia da posse de Trump em Washington.

21 de janeiro: 'Soberania'"Pela primeira vez em 50 anos, o primeiro-ministro tem a opção: a soberania (de Israel na Cisjordânia ocupada) ou um Estado palestino" independente, tuitou um dos pilares do governo de Israel, o nacionalista religioso Naftali Bennett, defensor da anexação de parte da Cisjordânia.

22 de janeiro: Anexação?Bennett quer apresentar no Conselho de Ministros um texto que defende a anexação de uma das maiores colônias da Cisjordânia. A anexação de Maale Adumin acabaria com qualquer possibilidade de criar um Estado palestino.

O tema é tão delicado que Netanyahu havia adiado toda decisão para depois de seu encontro com Trump em meados de fevereiro.

Mas, segundo a ministra da Justiça Ayelet Shaked, próxima de Bennett, as regras do jogo mudaram: "é preciso compreender rapidamente e criar os fatos" no terreno.

22 de janeiro: avança a colonização em JerusalémA prefeitura israelense de Jerusalém deu seu aval definitivo para a construção de 566 habitações em Jerusalém oriental, ocupada e anexada. "Já não temos as mãos atadas, como na época de Barack Obama", declarou Meir Turjeman, vice-prefeito.

22 de janeiro: sem freiosNetanyahu promete diante dos ministros levantar todas as restrições à colonização em Jerusalém oriental agora que Obama deixou o cargo, informou a imprensa sem que o governo desmentisse.

23 de janeiro: 'ótima' oportunidadeApós oito anos de "enorme pressão" exercida por Obama sobre Israel sobre a questão do Irã e as colônias, "estamos diante de um ambiente favorável para a segurança e o futuro do Estado de Israel, mas isso requer um sentido de responsabilidade e prudência da nossa parte, para não perder esta ótima oportunidade", afirmou Netanyahu aos membros de seu partido Likud.

24 de janeiro: colonização na CisjordâniaIsrael anunciou a construção de 2.500 habitações em assentamentos na Cisjordânia, o maior anúncio sobre o tema em anos.

"Estamos construindo e vamos continuar construindo", tuitou Netanyahu.

26 de janeiro: colonização (bis)A prefeitura de Jerusalém autoriza definitivamente 153 novas casas. "Nos próximos meses vamos entregar as licenças para milhares de habitações", afirmou Turjeman.

29 de janeiro: embaixada dos EUA"A embaixada dos Estados Unidos deve vir para cá, em Jerusalém", e não ficar em Tel Aviv, declarou Netanyahu recordando uma das promessas de Trump. Uma mudança que seria uma guinada diplomática histórica.

30 de janeiro: apropriação de terrasO Parlamento israelense começa seus trabalhos para adotar uma lei que permitiria Israel apropriar-se de centenas de hectares de terras palestinas na Cisjordânia ocupada.

1º de fevereiro: Cisjordânia (bis)Israel anuncia a construção de 3.000 novos assentamentos na Cisjordânia ocupada.

As declarações de Netanyahu não se limitaram ao conflito israelense-palestino. O primeiro-ministro afirma que com Trump "as coisas vão mudar" em relação ao Irã, um inimigo de Israel.

Seu entusiasmo no Twitter lhe valeu até mesmo uma crise diplomática com o México em relação ao muro que Trump quer construir na fronteira sul dos Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos