Sindicatos argentinos ameaçam governo Macri com greve geral

Buenos Aires, 3 Fev 2017 (AFP) - A maior central sindical da Argentina convocou nesta quinta-feira (2) uma mobilização para 7 de março e ameaçou com uma greve geral neste mesmo mês, em protesto ao governo de Mauricio Macri pelo aumento do desemprego e a perda de poder aquisitivo.

A decisão anunciada pelos líderes da Confederação Geral do Trabalho (CGT) rompe, assim, com o diálogo com os ministros de Macri.

"Já não há tempo para o diálogo", assegurou Héctor Daer, após a reunião na qual decidiram recorrer a medidas de força.

O anúncio acontece em um cenário de economia recessiva, queda da atividade industrial e uma inflação que fechou 2016 acima dos 40% depois de uma desvalorização da moeda de 31%.

Os líderes da CGT confirmaram que não participarão de reuniões com empresários, nem com o governo, devido ao descumprimento dos acordos antidemissões.

Para março, estão previstos aumentos de entre 60% e 148% nas tarifas de energia elétrica, depois do aumento dos combustíveis em janeiro.

Esta seria a primeira greve geral contra o governo liberal de Mauricio Macri, que assumiu em 10 de dezembro de 2015, implementando um modelo diametralmente oposto aos governos protecionistas de Néstor e Cristina Kirchner (2003-2015).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos