Empresário indonésio declara guerra ao plástico

Jacarta, 8 Fev 2017 (AFP) - Os turistas que visitam Bali levam a recordação de suas águas cristalinas, mas nas praias da Indonésia também se amontoam montanhas de plástico, uma praga que um empresário combate fabricando bolsas e caixas ecológicas.

Kevin Kumala, de 32 anos, fundou uma empresa que produz recipientes de cana-de-açúcar e lantejoulas de amido, produtos biodegradáveis que não geram resíduos tóxicos.

"Eu, que sou apaixonado por mergulho e surfe, encontro essa poluição de material plástico diante dos meus olhos", conta Kumala à AFP ao explicar o que o levou a se lançar na fabricação de substitutos biodegradáveis com sua companhia Avani Eco, que significa Eco Terra.

O problema da contaminação gerada pelo plástico em Bali é tamanho que "é preciso fazer alguma coisa", diz.

A Indonésia pode acabar em uma situação crítica devido ao acúmulo de dejetos plásticos em um país com um crescimento rápido e quase sem alternativas ecológicas.

Os rios e mares deste arquipélago de 17.000 ilhas e ilhotas estão cobertos por dejetos que provocam a morte de espécies marinhas e aumentam o risco de inundações.

Em janeiro, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, 40 das maiores empresas globais acordaram em desenvolver formas mais limpas de produzir e usar o material para evitar que os oceanos contaminados cheguem um dia a conter mais plástico do que peixes pela falta de medidas para enfrentar o problema.

'Esperança'O produto mais popular da Avani Eco é uma bolsa à base de mandioca. Cada peça é vendida com uma mensagem impressa em letras maiúsculas: "NÃO SOU PLÁSTICO".

Para demonstrar que suas bolsas não são nocivas, o empresário se presta a um experimento: pega uma parte de mandioca de uma bolsa, a coloca em um copo de água fervente e observa como se dissolve rapidamente. Chega, inclusive, a beber alguns goles.

"Isto dá esperança aos animais marinhos. Não se asfixiam, nem ingerem materiais que podem ser perigosos", diz Kumala.

Uma bolsa de mandioca custa 4.000 rúpias (por volta de 32 centavos de dólar), mais que uma fabricada a partir de derivados de petróleo, que levam até 400 anos para se decompor totalmente. As da Avanti Eco levam meses e se diluídas em água, o processo é instantâneo, afirma Kumala.

'A Ásia se afoga'O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) lamentou em um relatório de 2015 que os plásticos ecológicos não consigam reduzir a quantidade esperada de detritos deste material nos mares do planeta.

A destinação do plástico ecológico engloba os procedentes de recursos naturais, como a cana-de-açúcar e o milho, e outros biodegradáveis.

São "soluções inovadoras" mas "ainda não sabemos o suficiente sobre esta tecnologia", observa Habib el Habr, um encarregado do Pnuma.

Na Indonésia, a coleta de lixo e os sistemas de eliminação são insuficientes para fazer frente ao uso do plástico, que não para de aumentar.

As autoridades não destinam ajuda pública ao tratamento dos resíduos de plástico, mas preveem impor às lojas a obrigação de que os consumidores paguem pelas sacolas de plástico convencionais, uma medida eficaz em outros países, diz um encarregado do ministério indonésio do Meio Ambiente, Tuti Hendrawati Mintarsih.

Apesar dos desafios, Kumala está convencido de que se pode remediar o problema. "Toda a Ásia se afoga em um oceano de contaminação plástica", lamenta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos