Somália escolhe presidente sob fortes medidas de segurança

Mogadíscio, 8 Fev 2017 (AFP) - Reunidos no aeroporto internacional de Mogadíscio, o local mais protegido da capital, os parlamentares somalis deve escolher nesta quarta-feira o presidente do país, em meio a fortes medidas de segurança para evitar novos ataques dos islamitas radicais Al Shabab.

Na terça-feira à noite, vários bairros da capital foram atingidos por disparos, enquanto fora de Mogadíscio explodiram os combates entre os Al-Shabab e os soldados da Missão da União Africana na Somália (Amisom), informou a polícia, que não citou nenhuma vítima.

Por motivos de segurança, um hangar do aeroporto de Mogadíscio recebe os 275 deputados e 54 senadores do país para a definição do chefe de Estado entre 22 candidatos.

A eleição em vários turnos deve marcar o fim de um processo eleitoral adiado em várias oportunidades e marcado por acusações de corrupção e manipulação.

Protegido pela Amisom, o aeroporto de Mogadíscio é considerado o local mais protegido da capital. Nele se encontram os escritórios da ONU, de várias organizações humanitárias e embaixadas.

Parlamentares, jornalistas e analistas passavam por longas filas para superar os postos de controle no local.

Fora do aeroporto, a cidade estava praticamente deserta. O prefeito pediu aos moradores que permanecessem em suas casas. O comércio e as escolas estavam fechados, enquanto sacos de areia bloqueavam as principais avenidas e soldados patrulhavam as ruas.

Vinculado à Al-Qaeda, Al-Shabab prometeu derrubar o frágil governo somali, apoiado pela comunidade internacional e protegido por 22.000 soldados da Amisom.

O grupo islamita radical foi expulso de Mogadíscio em agosto de 2011, mas controla zonas rurais extensas e ataca com frequência a capital.

Quase 14.000 eleitores delegados - de 12 milhões de somalis - votaram entre outubro e dezembro de 2016 para escolher os novos deputados entre candidatos geralmente designados de maneira antecipada por consenso. Cada um representava um clã ou subclã.

A ideia inicial de voto universal foi abandonada em 2015 por disputas internas e atrasos políticos, além da insegurança crônica no país.

Mas o pleito representa um avanço democrático em comparação com as eleições de 2012, quando apenas 135 notáveis escolheram todos os deputados. Agora o sufrágio universal está planejado para 2020.

O resultado da votação é considerado incerto, sobretudo porque é provável que os diferentes clãs aproximem suas posições com o avanço dos turnos.

Entre todos os candidatos o maior destaque é o atual presidente Hasan Sheikh Mohamud, 61 anos, ex-professor universitário e ativista, pertencente ao clã Hawiye, um dos principais da Somália.

Seu antecessor, Sharif Sheikh Ahmed, 52 anos, também é candidato. Ex-chefe da União de Tribunais Islâmicos da Somália, de onde surgiu Al-Shabab, também pertence ao clã Hawiye.

A Somália sofre há quase três décadas com o caos e a violência, alimentados por milícias ligadas aos clãs, grupos criminosos e grupos islamitas. A última eleição realmente democrática aconteceu em 1969.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos