Assessora de Trump promove produtos de Ivanka na TV e gera polêmica nos EUA

Em Washington

  • Tasos Katopodis/AFP

    Kellyanne Conway promoveu na TV a linha de produtos de Ivanka Trump, filha do presidente

    Kellyanne Conway promoveu na TV a linha de produtos de Ivanka Trump, filha do presidente

Kellyanne Conway, uma das assessoras mais próximas do presidente americano, Donald Trump, esteve nesta quinta-feira (9) no centro de uma polêmica após promover, na televisão, a linha de produtos de Ivanka Trump, filha do presidente, em aparente violação das normas éticas.

O congressista do Partido Democrata Elijah Cummings liderou as críticas a Kellyane Conway, depois que ela convidou os telespectadores a irem "comprar os produtos de Ivanka".

"Surge como uma violação elementar das leis de ética governamental e das regulações promulgadas para prevenir o abuso da posição de um funcionário do governo", denunciou o legislador em carta enviada a um painel sobre ética do Congresso dos Estados Unidos.

Conway pode ser investigada pelo Gabinete do Inspetor-Geral e pelo Gabinete de Ética Governamental.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, que na quarta-feira (8) defendeu o direito do presidente de "defender sua família", distanciou-se das declarações de Conway.

"Kellyanne tem sido assessorada sobre este assunto. Ponto final", desconversou Spicer, no encontro diário com a imprensa.

Mais cedo, Conway havia elogiado a linha de produtos de Ivanka Trump durante uma entrevista à emissora "FoxNews".

"É realmente uma linha linda. Eu mesma tenho várias peças. Vou fazer propaganda gratuita: vão hoje mesmo e comprem seus produtos. Podem encontrá-los on-line", afirmou.

A assessora - e ex-chefe da campanha eleitoral de Trump - acrescentou que sair para fazer compras é algo que ela "detesta", mas disse que sairia "para comprar algumas peças" da linha de produtos de Ivanka.

Para os especialistas em Ética, a atuação da funcionária se mostra como um abuso do prestígio presidencial.

"A lei é clara", disse Noah Bookbinder, diretor-executivo da Citizens for Reponsability and Ethics em Washington, um grupo de monitoramento que apresentou uma queixa separada.

"Este é outro exemplo de quem se mostra como um patrão problemático deste governo que atua para beneficiar os negócios da família e aliados do presidente", insistiu.

As leis federais proíbem qualquer funcionário público de usar suas funções "para seu benefício próprio", ou "para a promoção de qualquer produto, serviço, ou empresa".

No Twitter, o Gabinete de Ética Governamental disse estar cheio de "um extraordinário volume de contatos de cidadãos" sobre os recentes eventos.

Ainda que não tenha mencionado o nome de Conway, o gabinete assinalou que está contactando as agências governamentais pertinentes para analisar o assunto, como manda o protocolo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos