Espanha emite primeiras ordens de prisão por esquema de corrupção do PP

Madri, 14 Fev 2017 (AFP) - A Justiça espanhola ordenou nesta terça-feira (14) a prisão imediata, sem possibilidade de fiança, dos primeiros condenados a penas de prisão em regime fechado referentes ao esquema de corrupção Gürtel, que envolve o Partido Popular (PP, conservador).

O Supremo Tribunal de Justiça da Comunidade Valenciana (TSJCV) anunciou em um comunicado ter "ordenado prisão provisória sem fiança para Francisco Correa, Pablo Crespo e Álvaro Pérez, os cabeças por trás do esquema Gürtel".

Os três homens foram condenados na sexta-feira (10) pelo arranjo de contratos na região de Valência, em 2005 e 2009.

O Tribunal decide "o ingresso imediato à prisão desses três condenados sem esperar que a sentença, que lhes atribuem penas de 12 e 13 anos de cárcere por associação ilícita, tráfico de influência, desvio de verbas, suborno e falsidade, sejam confirmadas pelo Supremo Tribunal, ao que cabe recurso", informa o comunicado.

Os magistrados tomaram a decisão considerando que existe risco de fuga de alguns dos condenados.

A decisão de condenação de sexta é a primeira de uma série esperada para 2017 quanto a assuntos de corrupção que afetaram o Partido Popular do presidente do governo Mariano Rajoy, no poder desde 2011.

Diante disso, foi produzido em paralelo ao julgamento da parte principal da investigação da trama, um processo aberto em Madri em outubro.

Nesse primeiro caso em Valência, os empresários criaram um esquema para conseguir de maneira irregular contratos nessa região, até então um conglomerado de conservadores, de férias.

O empresário Correa, suposto mandante no esquema que se aproxima do ex-chefe conservador do governo José María Aznar (1996-2004), subcontratava terceiros e aplicava margens desproporcionais de contribuição e faturava em cima de falsos gastos.

Vários empresários já confessaram terem sido pagos pelo PP em troca de contratos.

No processo principal, de Madri, aparecem 37 pessoas, dentre elas antigos tesoureiros do PP, acusados de importantes fraudes de fundos públicos ao manipular contratos estimados em dezenas de milhões de euros, em troca de comissões ilegais entre 1999 e 2005.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos