Merkel pressiona a Tunísia sobre repatriação de migrantes após atentado em Berlim

Berlim, 14 Fev 2017 (AFP) - A chanceler alemã, Angela Merkel, se reunirá nesta terça-feira em Berlim com o primeiro-ministro da Tunísia, Youssef Chahed, ao qual solicitará o fim do bloqueio das repatriações de seus cidadãos e uma ajuda para frear a migração com destino ao continente europeu.

O ataque com um caminhão contra uma feira de Natal em Berlim em dezembro, que deixou 12 mortos, cometido pelo tunisiano Anis Amri em nome do grupo Estado Islâmico (EI), trouxe o tema novamente à discussão.

Há vários meses, Tunísia, Marrocos e Argélia são acusados de impedir as repatriações de seus cidadãos, especialmente se estão vinculados ao movimento salafista.

O caso de Anis Amri reflete bem a situação, já que a Tunísia negou durante meses que ele fosse cidadão do país, apesar da identificação por parte de Berlim, que o classificou de "perigoso".

"Vamos falar sobre como podemos fazer (...) para que as coisas aconteçam mais rápido, especialmente quando se trata de indivíduos classificados como perigosos", disse Merkel no sábado.

A chanceler, no entanto, pretende ir mais longe. Ela deve abordar com Youssef Chahed o tema da criação na Tunísia de acampamentos para migrantes resgatados durante sua travessia pelo Mediterrâneo. Isto impediria que entrassem na Europa.

"Temos que falar, tranquila e respeitosamente, das possibilidades que existem neste âmbito", declarou.

A questão se tornou espinhosa para Merkel porque sua política de portas abertas aos migrantes em 2015 é alvo de críticas, inclusive por uma ala conservadora de seu partido, em um ano eleitoral crucial na Alemanha.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos