Estresse e insônia, a outra cara do teletrabalho

Genebra, 15 Fev 2017 (AFP) - À primeira vista, o teletrabalho oferece muitas vantagens, como ganhar tempo, economizar dinheiro com transporte ou ter uma vida familiar mais equilibrada. Em grandes doses, porém, pode prejudicar a saúde, revelou na quarta-feira um relatório da ONU.

O documento, feito em conjunto pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), agência das Nações Unidas, e a Eurofund, agência da União Europeia, se baseia em pesquisas realizadas em 15 países.

O relatório faz uma distinção entre as pessoas que trabalham em casa, que parecem desfrutar de um maior equilíbrio entre a vida profissional e a familiar, e os trabalhadores "muito móveis", que utilizam novos meios de comunicação e estão mais expostos às consequências negativas sobre a sua saúde e bem-estar.

Entre as vantagens do teletrabalho, também conhecido como 'home office', os funcionários apontam a redução do tempo de deslocamento, uma maior autonomia e um maior equilíbrio entre a vida profissional e a privada.

As empresas veem nesta modalidade uma maior motivação dos funcionários, mais produtividade e eficiência, e acima de tudo, uma redução do espaço de escritório necessário.

Mas a outra faceta do teletrabalho é mais preocupante.

O relatório destaca "a tendência a induzir um prolongamento da jornada de trabalho, a criar uma sobreposição entre emprego e vida privada e a levar a uma intensificação do trabalho".

O estudo acrescenta que "41% dos trabalhadores muito móveis apresentam altos níveis de estresse, em comparação com 25% dos que trabalham o tempo todo no escritório".

Além disso, 42% das pessoas que trabalham em casa a tempo completo e 42% dos teletrabalhadores muito móveis dizem que acordam várias vezes durante à noite, enquanto isso só acontece com 29% dos funcionários que trabalham no escritório.

Jon Messenger, coautor do relatório, ressalta as vantagens do teletrabalho a tempo parcial, que permite manter o contato com os colegas.

"O equilíbrio ideal parece ser de dois a três dias de trabalho em casa", disse Messenger em uma coletiva de imprensa em Genebra.

"Talvez as empresas devessem recorrer [ao teletrabalho] com mais frequência, visto que este tem efeitos positivos, não só para os funcionários, mas também para o empregador", acrescentou.

O relatório também defende o "direito a desconectar", citando o exemplo da França e da Alemanha. Algumas empresas já impõem que os servidores informáticos sejam desligados fora do horário de trabalho para impedir o envio de e-mails durante os períodos de descanso e férias.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos