Soldados e recém-casados honram a dinastia norte-coreana dos Kim

Pyongyang, 16 Fev 2017 (AFP) - Recém-casados, soldados e crianças homenagearam nesta quinta-feira em Pyongyang seus líderes para marcar o aniversário do nascimento de Kim Jong-il, pai do atual líder e de seu irmão assassinado na Malásia.

Os norte-coreanos desfilaram pela colina Mansu, no centro de Pyongyang, onde uma estátua de bronze gigantesca de Kim Il-sung, o fundador do regime e da dinastia de mesmo nome, vela sobre a capital.

Ao lado, uma efígie de seu herdeiro Kim Jong-il, cujo filho mais novo Kim Jong-un lidera atualmente a Coreia do Norte. Seu irmão mais velho, caído em desgraça, Kim Jong-nam, foi morto na segunda-feira no aeroporto de Kuala Lumpur. A Coreia do Sul Coreia atribuiu o crime a espiãs norte-coreanas.

Durante todo o dia, milhares de pessoas fizeram oferendas florais ou depositaram cestos com "Kimjongilias", flores vermelhas cujo nome é inspirado pelo falecido líder.

"O grande presidente Kim Il-sung e o grande líder Kim Jong-il vão estar sempre entre nós", está gravado nas fitas vermelhas que decoram as cestas.

Kim Myong-hui, uma aposentada de 51 anos, fabrica os cestos. "É o aniversário do nosso grande líder. Todos os anos, visitamos a colina para prestar homenagem porque o camarada Kim Jong-il vive eternamente nos corações do povo".

A imprensa oficial norte-coreana não menciona o assassinato de Jong-nam e é muito provável que a maioria da população ignore este fato.

Muitos vieram em família. O dia "da estrela brilhante" dá início a dois dias de festas e é o momento ideal para se casar.

'Punho firme'"Viemos para mostrar primeiro ao grande presidente e ao grande companheiro que nos casamos", diz Kang Un-Chol, de 31 anos. Ele e sua esposa Ri Hyang-sol, de 27 anos, usam distintivos com a efígie dos dois Kims.

A Coreia do Norte celebra o aniversário de Kim Jong-il em 16 de fevereiro, embora as versões sobre a data e local de seu nascimento sejam várias.

Oficialmente, o ano de seu nascimento foi 1942, nas encostas do Monte Paektu, lugar do nascimento espiritual da nação coreana e, portanto, nesta quinta-feira comemoraram seu 75º aniversário.

De acordo com vários historiadores independentes, ele nasceu um ano antes na União Soviética, onde seu pai viveu no exílio.

Moscou e Pequim apoiaram os comunistas contra as forças da ONU lideradas pelos Estados Unidos durante a Guerra da Coreia (1950-1953), que terminou com a divisão da península.

Kim Jong-il presidiu os primeiros testes nucleares norte-coreanos. Seu filho Kim Jong-un acelerou os programas de mísseis nucleares e balísticos da Coreia do Norte, o que lhe valeu várias sanções da ONU. Um míssil foi disparado no último domingo.

"É algo que temos de fazer", afirma Hwang Ji-min, diretor de uma empresa de construção civil de 66 anos. A Coreia do Norte "vive sob a repressão dos Estados Unidos".

"Há um provérbio que diz que ter punhos firmes faz os adversários fugir. Então, vamos continuar. Afastá-los é justificável".

Pyongyang assegura que seu programa é puramente defensivo. O Norte, que ameaça regularmente Washington e Seul, está em fase final de desenvolvimento de um míssil intercontinental capaz de atingir os Estados Unidos, segundo Kim Jong-un em seu discurso de Ano Novo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos