Soldado israelense apela condenação de 18 meses de prisão por matar palestino

Tel Aviv, 1 Mar 2017 (AFP) - O soldado israelense Elor Azaria apelou nesta quarta-feira sua recente condenação a 18 meses de prisão por ter matado um palestino ferido no chão, informou sua defesa.

Esta apelação acontece quatro dias antes da data prevista de sua ida à prisão.

Nesta quarta-feira, o Exército israelense, questionado pela AFP, não disse se Elor Azaria começaria a cumprir sua pena na prisão militar de Atlit no domingo, como estava previsto.

Elor Azaria, de 21 anos, foi condenado em 21 de fevereiro por um tribunal militar a 18 meses de prisão, após vários meses de um dos julgamentos que mais dividiu a opinião pública israelense.

O soldado, que também tem cidadania francesa, foi filmado em 24 de março de 2016 quando atirava na cabeça de Abdul Fatah al-Sharif em Hebron, na Cisjordânia, território palestino ocupado por Israel.

O palestino, ferido com um tiro e deitado no chão, havia acabado de atacar soldados com uma faca.

O advogado do soldado, Yoram Sheftel, interpôs uma apelação da condenação, disse um porta-voz.

Sheftel, um conhecido advogado israelense que defendeu o nazista "Ivan, o terrível", se uniu à equipe de defesa em janeiro.

Os três advogados que representavam Elor Azaria desde sua detenção anunciaram nesta quarta-feira que não iriam mais defendê-lo, já que estavam em desacordo com a decisão de seu cliente de recorrer à condenação.

Os magistrados explicaram em um comunicado que outras opções teriam sido cogitadas, como um pedido de redução da pena ou o indulto presidencial.

A acusação teria pedido entre três e cinco anos de prisão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos