Malásia vai libertar suspeito norte-coreano detido por assassinato de Kim Jong-nam

Kuala Lumpur, 2 Mar 2017 (AFP) - A Malásia vai libertar um suspeito norte-coreano detido durante a investigação do assassinato do meio-irmão de Kim Jong-un, informou o procurador-geral do país, um dia depois do indiciamento de duas mulheres acusadas pelo crime.

Ri Jong Chol foi detido pela polícia há quase duas semanas, após o assassinato de Kim Jong-nam em Kuala Lumpur em 13 de fevereiro.

"Será libertado. É um homem livre. A prisão preventiva expira e não há provas suficientes para acusá-lo", afirmou Mohamed Apandi Ali.

"Será deportado amanhã" (sexta-feira), completou o procurador.

Também nesta quinta-feira, o governo de Kuala Lumpur cancelou um programa de isenção de vistos para os norte-coreanos em um momento de escalada de tensão diplomática pelo assassinato do meio-irmão do dirigente norte-coreano.

O cancelamento do programa entra em vigor em 6 de março e, a partir de agora, os norte-coreanos vão precisar de um visto, noticiou a agência Bernama, citando o vice-primeiro-ministro malaio, Ahmad Zahid Hamidi.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos