Jordânia executa 15 terroristas e criminosos comuns

Amã, 4 Mar 2017 (AFP) - A Jordânia enforcou neste sábado 15 homens condenados por terrorismo e por outros crimes, anunciou o porta-voz do governo, o que supõe uma nova ruptura da moratória sobre a pena de morte que o reino manteve entre 2006 e 2014.

Citado pela agência Petra, Mahmud al Momani, que também é ministro de Estado da Informação, disse que os presos foram executados na prisão de Suaga, sul de Amã.

Dez dos condenados foram declarados culpados por pertencer a uma célula terrorista, autora de vários ataques contra escritórios dos serviços de inteligência, membros da das forças armadas e a embaixada da Jordânia em Bagdá, em 2003.

Os cinco restantes foram condenados por crimes comuns, incluindo estupro.

A última execução em massa na Jordânia remonta a dezembro de 2014, quando 11 homens condenados por crimes comuns foram enforcados.

Estas foram as primeiras execuções desde 2006.

A Jordânia é membro da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos que bombardeia o grupo Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

O reino hachemita sofreu quatro ataques violentos em 2016. Milhares de jordanianos são suspeitos de adesão ao EI e Al-Qaeda.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos