Canadense impedida de entrar nos EUA gera polêmica

Montreal, 7 Mar 2017 (AFP) - A proibição de entrada de uma cidadã canadense nos Estados Unidos provocou polêmica, nesta segunda-feira, no Parlamento do Canadá, onde a oposição reprovou o silêncio do governo de Justin Trudeau diante da política migratória do presidente americano, Donald Trump.

A canadense de 30 anos Manpreet Kooner - acostumada a passar curtos períodos nos Estados Unidos - foi barrada no domingo na fronteira, após quase seis horas de interrogatório, por não ter visto.

Os acordos bilaterais não preveem a exigência de visto para americanos e canadenses, respectivamente.

O líder do Novo Partido Democrático (NPD, esquerda), Thomás Mulcair, desafiou Trudeau a "tomar uma posição contra a política racista dos Estados Unidos".

Para Mulcair, as autoridades de fronteira dos EUA aplicam arbitrariamente as proibições de entrada vinculando-as às origens das pessoas.

Residente em Montreal, Manpreet Kooner nasceu no Canadá de pais indianos.

Trudeau respondeu que seu governo trabalhará com a administração americana para garantir que as fronteiras sejam "um lugar onde os canadenses e os bens e serviços possam ter um trânsito eficaz e rápido".

"Não falamos de bens e serviços, falamos de uma cidadã canadense nascida no Canadá e barrada ilegalmente na fronteira americana", rebateu Mulcair.

Ao final de seu interrogatório na fronteira, Kooner foi orientada a pedir um visto no consulado dos Estados Unidos em Ottawa, mas nesta segunda-feira, as autoridades consulares afirmaram que não há exigência de visto para a mulher.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos