Desigualdade de gênero é um desafio para a democracia (OEA)

Washington, 8 Mar 2017 (AFP) - Apesar dos avanços registrados na consolidação democrática nos últimos anos na América Latina, a desigualdade de gênero ainda é um desafio, admitiu nesta quarta-feira o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

Para o diplomata, os "maiores desafios para a legitimidade e a vigência da democracia nas Américas são as desigualdades sociais e de gênero", segundo uma nota publicada com ocasião do Dia Internacional da Mulher.

Essas desigualdades, acrescentou, "limitam o potencial de desenvolvimento, segurança e governabilidade na região".

Para Almagro, "as mulheres das Américas enfrentam uma série de desafios: a cobertura midiática sexista, os estereótipos de gênero e a divisão de gênero do trabalho político".

Entre os desafios, Almagro destaca, ainda, a assistência a mulheres "que pertencem a grupos vulneráveis".

Em sua nota, Almagro apontou que "é urgente acelerar a eliminação das desigualdades de gênero na política, assim como assegurar o pleno exercício dos direitos políticos das mulheres" nas democracias latino-americanas.

Na véspera, a OEA informou que liberou suas funcionárias para que aderissem, nesta quarta-feira, à paralisação e mobilização de mulheres convocada por diversas entidades em vários países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos