Crise entre Turquia e Holanda impede visita de chanceler turco

Istambul, 11 Mar 2017 (AFP) - As tensões relacionadas a campanha realizada pelo governo turco nos países da Europa em favor de um reforço dos poderes presidenciais provocou uma crise diplomática entre a Turquia e a Holanda, que decidiu neste sábado proibir a visita do ministro turco das Relações Exteriores.

O ministro Mevlut Cavusoglu, que realizaria neste sábado em Roterdã um comício em favor do referendo que reforça os poderes do presidente Recep Tayyip Erdogan, recebeu a ordem de que seu avião não seria autorizado a aterrissar na Holanda.

Enquanto discussões estavam em andamento entre Haia e Ancara, "as autoridades turcas ameaçaram publicamente com sanções", declarou o governo holandês em um comunicado.

"Isso impossibilita a busca de uma solução razoável e, por esta razão, a Holanda informou que retira o direito de aterrissagem" do avião do ministro turco, explica o comunicado.

Em razão da proibição, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou responder a esta atitude.

"São vestígios do nazismo, são fascistas", acusou o presidente durante um comício em Istambul.

"Vocês podem proibir nosso ministro das Relações Exteriores de voar, mas a partir de agora, veremos como os voos de vocês vão aterrissar na Turquia", afirmou, em tom ameaçador.

Pouco depois, a Turquia convocou o representante dos assuntos holandeses em Ancara para protestar contra a decisão de Haia. "Convocamos o responsável pelos assuntos holandeses hoje", declarou uma autoridade da chancelaria turca que pediu anonimato.

O ministro Cavusoglu "continua em Istambul", indicou a chancelaria à AFP. O chanceler já havia desafiado as autoridades holandesas ao manter a visita e alertando para possíveis "pesadas sanções" se as autoridades holandesas proibissem a sua visita.

'Não quer respeitar as regras'"Vou a Roterdã hoje" (sábado), havia declarado ao canal CNN-Turk no início da manhã. "Vamos impor pesadas sanções contra a Holanda" se esta visita for impedida.

O prefeito de Roterdã, Ahmed Aboutaleb, havia anunciado na quarta-feira que este comício seria anulado, indicando que o auditório onde aconteceria o evento não estava mais disponível.

E na quinta-feira, o ministro holandês das Relações Exteriores, Bert Koenders, declarou a oposição do governo a vinda de seu colega turco.

Em seguida, a Holanda iniciou negociações com as autoridades turcas para encontrar "uma solução aceitável" ao impasse.

"Havia um diálogo em andamento para decidir se as autoridades turcas poderiam viajar e realizar a reunião em caráter privado, em pequena escala, no consulado ou na embaixada", indicou o governo no comunicado.

Mas para as autoridades holandesas, "após um apelo público aos turco-holandeses a participar maciçamente em um evento público com o ministro Cavusoglu em Roterdã neste sábado, 11 de março, a ordem e a segurança pública estariam comprometidos".

"A Holanda lamenta o desfecho dos acontecimentos e apoia um diálogo com a Turquia", afirmou o governo holandês.

Cerca de 400.000 pessoas de origem turca vivem na Holanda, de acordo com o Bureau de Estatísticas da Holanda (CBS).

"O governo holandês não tem objeções contra comícios em nosso país para informá-los" sobre o referendo turco, ressaltou no comunicado. "Mas essas reuniões não podem levar a tensões em nossa sociedade, e todos aqueles que desejam realizar um comício tem que respeitar as instruções das autoridades competentes para que a paz e a segurança possam ser garantidas".

"Deve-se notar que o governo turco não quer respeitar estas regras", disse ele.

Mal-estar na EuropaA campanha lançada na Europa visando a diáspora turca em vista do referendo turco de 16 de março tem causado grande tensão entre os países e a Turquia, começando pela Alemanha, que cancelou vários comícios pró-Erdogan.

Neste contexto, o presidente turco já havia acusado, em 5 de março, a Alemanha de "práticas nazistas", observações que irritaram Berlim - e Bruxelas. Mas a chanceler Angela Merkel pediu "cabeça fria".

Vários países manifestaram desconforto com a campanha.

Assim como a Alemanha, Suíça e Áustria proibiram na sexta-feira a realização em seu território de encontros eleitorais na presença de membros do partido governista turco AKP, citando riscos de distúrbios à ordem pública.

fo-shm-ak/at/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos