Descoberta de corpos em prisão desativada reacende crise penitenciária na Venezuela

Caracas, 12 Mar 2017 (AFP) - A descoberta dos restos de 14 pessoas na principal prisão da Venezuela, fechada temporariamente há cinco meses, reacende o debate sobre a crise penitenciária no país petroleiro, entre denúncias de irregularidades e violações dos direitos humanos.

O número de mortos encontrados durante uma escavação nas instalações da prisão subiu para 14, anunciou neste domingo a Justiça.

"Até o momento, foram recuperados 14 corpos" na Penitenciária Geral da Venezuela (PGV), localizada na cidade de San Juan de Los Morros, assinala um boletim do Ministério Público, assinalando que a descoberta ocorreu na última quinta-feira.

Segundo o texto, terão prosseguimento as investigações "relacionadas à escavação, descoberta, classificação e determinação da causa das mortes".

Na última sexta-feira, a ministra de Assuntos Penitenciários, Iris Varela, anunciou em entrevista coletiva que haviam sido encontrados restos humanos "correspondentes a sete pessoas", horas depois de haver dito, em um primeiro balanço, que pertenciam a três vítimas.

No último 28 de outubro, o governo concluiu o esvaziamento da prisão, após semanas de confrontos entre internos pelo seu controle e denúncias da morte de alguns deles por falta de alimento e remédios.

- Vala comum -A ONG de defesa dos direitos dos presos Uma Janela para a Liberdade denunciou a existência na PGV de uma vala comum com um número de corpos muito maior.

Carlos Nieto, coordenador da organização, indicou à AFP que o número de mortos pode chegar a 100. "Todas as fontes que consultamos falam da existência de uma vala comum, em que se encontram restos de mais de 100 pessoas", declarou o ativista em entrevista telefônica.

A Justiça informou ter recebido "denúncias de familiares sobre desaparecimentos durante o processo de desocupação". A prisão abrigava 9 mil detentos, segundo a Uma Janela para a Liberdade.

A PGV está sendo reformada como parte de um projeto do governo para "pacificar" as penitenciárias e adequá-las aos padrões internacionais. Segundo Iris Varela, 96 prisões foram incorporadas ao programa do governo desde julho de 2011, das quais seis foram fechadas.

- Banco ou pizzaria? -ONGs denunciam que, apesar do projeto do governo, as prisões da Venezuela são escolas do crime, onde os réus dispõem de piscina, pizzarias e boates. Da mesma forma, reportam irregularidades no cumprimento das penas pelos "pranes" (líderes dos réus).

Em 28 de fevereiro, um dos principais bancos da Venezuela, Banesco, denunciou no Twitter a existência de uma agência clandestina que usava a sua marca no presídio de Tocuyito, estado de Carabobo.

Iris Varela afirmou, no entanto, que se tratava de uma pizzaria que os presos haviam batizado com o nome da instituição financeira e onde os detentos, em um projeto de reabilitação, praticam atividades culinárias.

"Sim, existiam", afirmou Carlos Nieto, ressaltando que a existência de bancos ilegais em presídios venezuelanos é habitual, e que os mesmos servem para que os detentos troquem dinheiro com familiares e os pranes cobrem comissões de cerca de 20%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos