Ex-presidente separatista catalão perde direitos políticos por 2 anos

Barcelona, 13 Mar 2017 (AFP) - O ex-presidente nacionalista catalão Artur Mas (2010-2016) perdeu nesta segunda-feira seus direitos políticos para exercer cargos eleitos durante dois anos por desobedecer a proibição da justiça espanhola de realizar, em 2014, um referendo separatista nessa região.

O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC) determinou uma pena muito inferior à requerida pela promotoria, que era de dez anos.

Mas foi processado por desobedecer a suspensão decretada pelo Tribunal Constitucional da consulta sobre a independência catalã, celebrada em 9 de novembro de 2014.

Na consulta não vinculante, participaram 2,3 milhões de catalãs, em um total de 6,3 milhões habilitados a votar.

Entre os que compareceram às urnas, 80% votaram pela separação dessa região do nordeste da Espanha, que conta com 7,5 milhões de habitantes.

O presidente catalão, Carles Puigdemont, criticou a decisão e a comparou com o anúncio do governo regional escocês, que pedirá um novo referendo separatista ao Reino Unido, depois da infrutífera consulta de 2014.

"Que diferença das democracias consolidadas e saudáveis", escreveu no Twitter.

Desde 2010, os separatistas catalãs desafiam o governo central da Espanha e tramitam uma série de medidas no parlamento visando a uma hipotética divisão.

O governo espanhol, em mãos do conservador Partido Popular (PP), e a justiça trava uma complexa batalha legal contra essas medidas.

Apesar disso, os separatistas e Puigdemont já prometeram para setembro um referendo sobre a independência, com ou sem a autorização do governo de Mariano Rajoy, que já deixou claro que não permitirá sua realização.

pho-avl/mck/pc/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos