ONU acusa força aérea síria de crime de guerra por bombardear fonte de água

Genebra, 14 Mar 2017 (AFP) - A Força Aérea síria cometeu um crime de guerra ao bombardear, no final de 2016, uma fonte de água em Damasco, afirmou nesta terça-feira a comissão investigadora das Nações Unidas para a Síria, que desmentiu que tenha sido contaminada pela oposição.

"As informações examinadas pela comissão confirmam que o bombardeio da fonte de água foi realizado pela Força Aérea síria", afirmam os investigadores.

"Esse ataque equivale a um crime de guerra", afirma o relatório de investigação da comissão transmitido ao Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Diferentemente do que o governo sírio afirmou na época, a fonte de água não foi contaminada pela oposição, afirma a comissão.

"Não há registros de pessoas que tenham apresentado sintomas vinculados a uma contaminação da água antes de 23 de dezembro", dia em que ocorreu o bombardeio, indicou a comissão.

"Os bombardeios aéreos" do governo "danificaram a fonte severamente" e "privaram mais de cinco milhões de pessoas de água potável", acrescentou.

"No momento do ataque, havia combatentes dos grupos perto da fonte, mas a vantagem obtida graças ao ataque foi excessivamente desproporcional em relação ao impacto que teve na população civil", afirmaram os investigadores da comissão.

No final de janeiro, o exército turco retomou a região de Wadi Barada, vital para o abastecimento de água em Damasco, que estava em poder dos rebeldes desde 2012.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos