Holanda comparece às urnas em eleição crucial para a Europa

Haia, 15 Mar 2017 (AFP) - Os holandeses se mobilizaram nesta quarta-feira para a definição de um novo Parlamento, em eleições que medem a ascensão do populismo na Europa após um fim de campanha agitado pela crise diplomática com a Turquia.

Cerca de um terço dos 12,9 milhões de eleitores compareceram às urnas pouco antes das 14h00 (10h00 de Brasília), segundo o instituto de pesquisas Ipsos. Nas últimas eleições de 2012 a taxa de participação nesta mesma hora era de 27%.

Os locais de votação fecharão às 20H00 GMT (17H00 de Brasília), quando serão divulgadas as pesquisas de boca de urna.

De acordo com as últimas pesquisas, o Partido Popular pela Liberdade e a Democracia (VVD) do primeiro-ministro Mark Rutte obteria entre 24 e 28 cadeiras no Parlamento, enquanto o Partido pela Liberdade (PVV) do extremista de direita Geert Wilders deve garantir entre 19 e 22 deputados.

Depois do Brexit no Reino Unido e da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, as eleições holandesas são consideradas um indício do que pode acontecer nas presidenciais da França, em abril e maio, e nas legislativas da Alemanha, no fim do ano.

A campanha esteve dominada pelo confronto entre Mark Rutte e Geert Wilders.

Wilders votou em uma escola dos arredores de Haia, diante de muitos jornalistas. "Seja qual for o resultado das eleições hoje, o gênio não voltará a sua lâmpada e esta revolução patriótica seguirá", afirmou.

"Acredito que os acontecimentos nos Estados Unidos e talvez em outros países europeus demonstram que as pessoas normais querem ser novamente soberanas em seus países", acrescentou.

Do outro lado da cidade, Rutte também votou e falou brevemente com estudantes que, gritando seu nome, prometiam "votar um dia por você".

"Esta eleição é crucial para a Holanda", declarou à imprensa. "É a oportunidade para uma democracia como a nossa de colocar fim ao efeito dominó do mau populismo".

"Vão se surpreender, mas algumas pessoas votam no PVV", explicou um eleitor de origem surinamesa à AFP. "Não suportam Geert Wilders, mas estão fartos da criminalidade, sobretudo dos jovens", explicou.

- Crise com a Turquia -Rutte aspira um terceiro mandato como primeiro-ministro da Holanda, uma das maiores economias da Eurozona e membro fundador da União Europeia, onde vivem 17 milhões de pessoas.

As últimas pesquisas mostraram um avanço dos partidos Chamada Democrata Cristã (CDA) e Democratas 66 (D66).

Durante a campanha, Wilders prometeu fechar as fronteiras aos imigrantes muçulmanos, proibir a venta do Corão e acabar com as mesquitas.

Rutte se concentrou em destacar as conquistas econômicas e a estabilidade do país em seus seis anos como primeiro-ministro. Sua posição durante a crise diplomática com a Turquia parece ter fortalecido sua imagem.

Rutte permaneceu firme diante das ameaças do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, depois que o governo proibiu que dois ministros da Turquia fizessem campanha em Roterdã entre a comunidade turca a favor do referendo de abril que reforça os poderes presidenciais.

Mesmo no caso de o PVV ser o partido mais votado, Wilders teria poucas possibilidades de entrar no governo porque a maioria dos partidos descartou uma negociação com ele.

Apesar da postura radical de Wilders ter recebido apoio após a crise dos refugiados, para muitos holandeses suas ideias contrárias à imigração continuam sendo difíceis de aceitar.

Se Wilders conseguir incluir seu partido como um dos principais no cenário político, no entanto, será difícil de ignorá-lo.

- Fragmentação -Os holandeses têm orgulho do consenso político e em geral os partidos levam três meses para estabelecer a coalizão de governo, em um cenário político fragmentado.

Desta vez, analistas acreditam que serão necessários quatro ou até cinco partidos para alcançar a maioria de 75 cadeiras no Parlamento.

Lodewijk Asscher, líder do Partido Trabalhista, que integra a coalizão de governo, criticou duramente Wilders no último debate ao afirmar que ele "apresenta zero solução".

O partido de esquerda e ecologista GroenLink deve obter entre 16 e 18 cadeiras, o que o deixaria como peça importante do futuro governo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos