Coreia do Norte fracassa em um novo teste de míssil

Seul, 22 Mar 2017 (AFP) - Um novo teste de míssil da Coreia do Norte falhou nesta quarta-feira, duas semanas depois do lançamento com êxito de quatro foguetes, apresentado por Pyongyang como um exercício para um eventual ataque contra as bases americanas no Japão, informou o ministério da Defesa sul-coreano.

A Coreia do Norte disparou um míssil a partir de uma base no porto de Wonsan, mas o "lançamento com certeza fracassou", destacou o governo de Seul.

O exército americano confirmou o fracasso e indicou que o míssil explodiu pouco depois do lançamento.

"O comando do Pacífico detectou uma tentativa frustrada de lançamento de míssil norte-coreano nas proximidades de Kalma. Um míssil explodiu, ao que parece, alguns segundos depois do lançamento", afirmou o porta-voz militar americano na região, David Benham.

O regime norte-coreano está submetido a sanções da ONU por seus programas nuclear e balístico.

Até o momento, a Coreia do Norte não demonstrou nenhuma intenção de interromper os programas, ao mesmo tempo que aspira desenvolver um míssil balístico intercontinental (ICBM) com capacidade de transportar ogivas nucleares e atingir o continente americano.

Em 2016, a Coreia do Norte intensificou os lançamento de mísseis e executou dois testes nucleares.

Recentemente, os norte-coreanos dispararam uma salva de quatro mísseis balísticos e três deles caíram perigosamente perto do Japão.

No domingo, o dirigente norte-coreano Kim Jong-Un supervisionou o teste considerado bem sucedido de um novo motor de foguete, artefato que pode ser modificado com facilidade para propulsar um míssil.

A Coreia do Sul considerou o anúncio mais um sinal de que a Coreia do Norte obteve "avanços significativos" no domínio balístico.

O regime norte-coreano realizou os diversos testes no momento em que Estados Unidos e Coreia do Sul realizavam manobras militares conjuntas.

Os exercícios são criticados com frequência por Pyongyang, que os considera um teste geral para uma invasão do território norte-coreano.

O teste do motor no domingo passado coincidiu com a visita ao continente asiático do novo secretário de Estado americano, Rex Tillerson, que advertiu que a tensão regional atingiu "níveis perigosos".

Sem conseguir convencer a Coreia do Norte a renunciar às ambições nucleares, Washington decidiu encerrar a política de "paciência estratégica" da administração de Barack Obama, anunciou Tillerson.

A possibilidade de uma ação militar americana está sobre a mesa, disse o secretário de Estado.

A nova abordagem contradiz a visão da China, que insiste na necessidade de uma ação diplomática a respeito da Coreia do Norte, país com o qual mantém relações estreitas.

A agência oficial norte-coreana KCNA celebrou esta semana o fato de Tillerson ter reconhecido o "fracasso" da política americana que pretende acabar com o programa nuclear do país.

Pyongyang afirma que seu programa é totalmente defensivo ante "inimigos hostis" como Coreia do Sul e Estados Unidos.

Até o momento, a Coreia do Norte não testou um míssil ICBM com capacidade de atravessar o Oceano Pacífico.

O míssil de longo alcance Musudan pode, em tese, viajar até 4.000 km, o que permite atingir a Coreia do Sul e o Japão, assim como as bases militares americanas na ilha de Guam.

Em 2016, o regime norte-coreano realizou oito testes de disparos com o Musudan, mas apenas um teve êxito.

Em junho do ano passado, um Musudan lançado na costa leste do país percorreu 400 km, o que levou Kim Jong-Un a considerar que o país poderia atacar bases americanas "em um cenário de operações no Pacífico".

De acordo com o jornal New York Times, o governo de Obama intensificou os ataques virtuais contra a Coreia do Norte com o objetivo de sabotar os disparos dos mísseis antes ou pouco depois do lançamento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos