Turquia questiona eficácia de proibir laptops e tablets em aviões

Istambul, 22 Mar 2017 (AFP) - O ministro turco das Relações Exteriores questionou nesta quarta-feira a eficácia da decisão americana de proibir computadores portáteis e tablets em alguns voos, incluindo os que partem de Istambul, e afirmou que a medida prejudica os passageiros.

"Se há preocupação a respeito da segurança, nossos funcionários devem se reunir e adotar medidas em conjunto. Este assunto não pode funcionar apenas com proibições. Um terrorista do Daesh (acrônimo árabe do grupo Estado Islâmico) pode embarcar em qualquer local", afirmou o ministro Mevlüt Cavusoglu.

"Ao invés de punir os passageiros normais, seria mais saudável adotar medidas contra as pessoas que representam uma ameaça", completou Cavusoglu, que estava em Washington.

Ancara já solicitou ao governo americano, por meio do ministro dos Transportes, que volte atrás na decisão.

As autoridades americanas proibiram a presença de computadores portáteis e tablets entre os passageiros de nove companhias aéreas que decolam de 10 aeroportos de países árabes e da Turquia, alegando o risco de atentados "terroristas".

Laptops, tablets e aparelhos de video game maiores que um telefone celular devem ser despachados com a bagagem.

Os oito países com aeroportos e companhias afetados pela medida são aliados ou sócios dos Estados Unidos: Turquia, Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Kuwait, Catar, Emirados Árabes Unidos e Marrocos.

Após o anúncio de Washington, o governo britânico adotou uma medida idêntica que afeta Turquia, Líbano, Jordânia, Egito, Tunísia e Arábia Saudita, e que será aplicada a todos os voos diretos procedentes destes países com destino ao Reino Unido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos