Equador decide entre manter o rumo ou dar guinada à direita

Quito, 2 Abr 2017 (AFP) - Os equatorianos compareciam neste domingo às urnas para eleger - entre um socialista e um ex-banqueiro de direita - o sucessor do presidente Rafael Correa, em um segundo turno decisivo para a esquerda latino-americana.

O resultado, após uma campanha marcada em sua reta final pelas alusões à crise internacional na Venezuela, também será fundamental para o fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, mantido pelo governo de Correa na embaixada do Equador em Londres desde 2012.

Em Quito, o ex-vice-presidente socialista Lenín Moreno, do governista Aliança País (AP), disse estar seguro de que o "Equador irá votar para continuar um processo que marca a rota do futuro".

Pouco antes, o conservador Guillermo Lasso, do Criando Oportunidades (Creo), assegurou, após votar em Guayaquil, que este segundo turno é "crucial" para escolher entre "o caminho da Venezuela ou o caminho da democracia e da liberdade".

Lasso tem abordado há vários dias durante comícios e entrevistas o tema da Venezuela, onde o Tribunal Supremo de Justiça assumiu as funções do Parlamento, mas voltou atrás depois da pressão internacional.

A chancelaria equatoriana preferiu se distanciar do tema e lamentou que "tenham tentado envolver a Venezuela no assunto eleitoral".

Os resultados oficiais são esperados a partir das 20H00 locais (22H00 de Brasília).

- Não à reação conservadora -Ao votar pela manhã, Correa, o presidente que graças ao "boom" petroleiro modernizou com seu "socialismo do século XXI" um país com fama de ingovernável, qualificou o segundo turno de "decisivo".

"É um momento decisivo porque tivemos uma reação conservadora nos últimos anos", disse Correa ao votar em Quito, em referência à guinada à direita que ocorreu em países como Brasil, Argentina e Peru.

Pela primeira vez em 10 anos sem Correa como candidato, que é acusado pela oposição de ter esbanjado a maior bonança petroleira do país, o AP tenta permanecer no poder com Moreno, que levanta a bandeira das causas sociais por conta de sua paraplegia fruto de um tiro que levou durante um assalto em 1998.

Com um plano que privilegia o investimento social sem "pacotes nem privatizações" e um exame minucioso da corrupção, Moreno enfrenta a proposta de Lasso, ex-presidente do Banco de Guayaquil, que oferece uma abertura para o mercado, a geração de um milhão de empregos e a eliminação de 14 impostos.

"A divisão não é tanto pela direita ou pela esquerda, mas em função de mudar o modelo de dez anos, o modelo econômico e político, ou mantê-lo", explica à AFP o cientista político Santiago Basabe.

Com um estilo mais conciliador que o de Correa, Moreno conta com a figura do atual presidente, a capacidade de mobilização de seu partido e o voto dos setores populares, beneficiários dos programas sociais impulsionados durante a bonança petroleira.

"Se uma opção diferente da que ganhou nestes 10 anos chegar a triunfar, acredito que seria a derrubada deste país", declarou à AFP Fausto Dután, de 63 anos, ao votar em Quito.

- "A derrubada" -Lasso, a quem o governo assinala como um dos responsáveis pela crise bancária que em 1999 obrigou três milhões de equatorianos a emigrarem, conta com o apoio da classe alta, com o descontentamento da classe média (antes boa parte correísta) e tem o apoio explícito dos líderes de outros partidos opositores, embora no Equador o voto não seja facilmente endossável.

"Quero uma mudança e que acabe definitivamente a corrupção", declarou à AFP Elena Pabón, uma aposentada de 67 anos, em referência aos escândalos como o da Petroecuador - que envolveu um ex-ministro de Correa - e as supostas propinas milionárias da empreiteira Odebrecht a funcionários equatorianos.

Nestas eleições, consideradas as mais acirradas da história recente do país, as pesquisas mostram Moreno em primeiro lugar, com margens que vão de quatro a 14 pontos, embora analistas indiquem que nas últimas projeções privadas Lasso ganhava terreno e o resultado poderia ser muito apertado.

Para evitar problemas, a sede do Conselho Nacional Eleitoral, onde no primeiro turno simpatizantes de Lasso protestaram para exigir transparência e rapidez na contagem dos votos, está há vários dias cercada com tapumes e é protegida por policiais e militares.

No primeiro turno, em 19 de fevereiro, dia em que também ocorreram as eleições legislativas, a base governista assegurou a maioria absoluta com 74 cadeiras de um total de 137, quando atualmente ostenta dois terços. Uma eventual vitória opositora poderia dificultar a governabilidade do país.

pld-sp/jm/jb/cb/db

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos