Equatorianos vão às urnas para eleger presidente entre socialista e direitista

Quito, 2 Abr 2017 (AFP) - Os equatorianos começaram a votar neste domingo para eleger, entre o ex-vice-presidente socialista Lenín Moreno e o opositor de direita Guillermo Lasso, o novo presidente do país.

Em 19 de fevereiro, Moreno, do movimento governista Alianza País (AP), obteve 39,3% dos votos válidos, ficando a décimos da eleição no primeiro turno, para a qual são necessários 40% e 10 pontos de diferença em relação ao segundo candidato.

Lasso, ex-banqueiro e principal líder da oposição, conquistou 28,1% dos votos.

Um total de 12,8 milhões dos 16,5 milhões de equatorianos foram convocados às urnas, que serão fechadas às 17h locais.

A votação para eleger o governante dos próximos quatro anos começou com uma cerimônia na sede do CNE em Quito, da qual participaram o presidente socialista Rafael Correa - no poder desde 2007 e cujo mandato será concluído no próximo dia 24 de maio - e delegados de observadores internacionais.

"Declaramos inauguradas oficialmente as eleições presidenciais, em que será eleito pela via democrática o novo presidente", expressou o titular do CNE, Juan Pablo Pozo.

Correa classificou a votação de decisiva para a esquerda e direita da América Latina, ante a recente "reação conservadora".

"Eu não chamaria de crítica, e sim de um momento decisivo, porque tivemos uma reação conservadora nos últimos anos na região", expressou o presidente, após votar no norte de Quito.

"As eleições equatorianas são muito importantes para verificar se esta tendência continua ou se volta a ganhar força a tendência progressista", assinalou.

O presidente apontou que "não apenas a pátria grande (América Latina) está acompanhando, o mundo inteiro acompanha as eleições equatorianas".

O resultado da votação poderia inclinar a balança para o lado da direita, que voltou a Brasil, Argentina e Peru, no que alguns chamam de "restauração conservadora".

Ao ser questionado pela AFP sobre o que está em jogo no Equador, o presidente socialista respondeu: "o futuro, continuar com estas mudanças históricas ou voltar ao passado".

Correa tornou-se o presidente que mais tempo permaneceu no poder no Equador, depois da crise institucional enfrentada pelo país entre 1996 e 2007, em que houve sete governantes, três deles derrubados e vários de direita.

Segue abaixo a ficha eleitoral do Equador:

População: 16,5 milhões, cerca de 30% indígenas.

Eleitores: 12,8 milhões (6,4 milhões de homens e 6,4 milhões de mulheres). O total inclui jovens de 16 a 18 anos, policiais, militares, pessoas com incapacidades e presos sem sentença, para quem o voto é opcional.

Mesas eleitorais: 43.623 nas 24 províncias do país e 887 no exterior.

Horário de votação: Entre 07H00 e 17H00 locais.

Cargos para o período 2017-2021: Presidente e vice-presidente.

Número de candidatos: Dois binômios.

Partidos e organizações políticas participantes: Alianza País (liderado por Rafael Correa) e Creando Oportunidades (CREO, de Guillermo Lasso).

Voto: Obrigatório para pessoas de 18 a 65 anos.

Sanções: Multa de 37,50 dólares para quem não votar, mais oito dólares pela cédula eleitoral requerida para alguns trâmites públicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos