Países do sur da UE aprovam ataque dos EUA na Síria

Madri, 10 Abr 2017 (AFP) - O bombardeio americano contra a base do regime sírio foi um ato compreensível depois do ataque com armas químicas de 4 de abril contra civis, afirmaram nesta segunda-feira, em Madri, os sete países do sul da União Europeia (UE) em uma declaração conjunta.

No texto adotado pelos respectivos líderes, o ataque de sexta-feira contra a base de Shayrat "tinha a intenção compreensível de impedir e evitar a distribuição e o uso de armas químicas e se centrou nesse objetivo".

O texto acrescenta que "o uso reiterado de armas químicas na Síria, tanto por parte do regime em 2013, como por parte do Dáesh [acrônimo em árabe do grupo Estado Islâmico] constituem crimes de guerra".

Os líderes da Espanha, França, Itália, Grécia, Portugal, Malta e Chipre, reunidos em Madri apoiaram assim a decisão da administração Donald Trump de atacar essa base com 59 mísseis.

Os líderes do sul da UE, recebidos no palácio de El Pardo pelo presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, também condenaram nos termos mais firmes o ataque com armas químicas que deixaram dezenas de mortos na Síria.

No encontro, também participaram os presidentes da França (François Hollande) e do Chipre (Nicos Anastasiadis), assim como os chefes de governo da Espanha, Portugal (António Costa), Itália (Paolo Gentiloni), Grecia (Alexis Tsipras) e Malta (Joseph Muscat).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos