Suspeito islamita é detido por explosões em Dortmund

Dortmund, Alemanha, 12 Abr 2017 (AFP) - A polícia alemã deteve um suspeito islamita por envolvimento no ataque com explosivos contra o ônibus da equipe de futebol Borussia Dortmund, anunciou a procuradoria federal alemã nesta quarta-feira.

A investigação do ataque está focada "em dois suspeitos da esfera islamita, um dos quais foi detido", afirmou à imprensa a fonte, acrescentando que parte do princípio de que o motivo do ataque foi terrorista.

"Os apartamentos dos suspeitos foram revistados", afirmou a fonte.

O Stadt Anzeiger de Colônia, um jornal da região de Dortmund, afirma que os dois suspeitos são um iraquiano de 25 anos, residente em Wuppertal, e um alemão de 28 anos, oriundo de Fröndenberg.

"Levando em conta o modus operandi, podemos partir do princípio de que se trata de um ataque de caráter terrorista", afirmou ainda a procuradoria, acrescentando que a polícia encontrou no local do ataque três cartas idênticas de reivindicação, que deixavam entrever um ato extremista.

O ministro do Interior do estado da Renânia do Norte-Westfália, Ralf Jaeger, onde fica a cidade de Dortmund, foi mais prudente e epxlicou que a polícia investiga todas as pistas.

Segundo ele, uma das cartas encontradas fala do grupo Estado Islâmico (EI) "e pode ser autêntica ou uma tentativa de criar pistas falsas".

A polícia alemã desde a véspera está estudando a possibilidade de que as três explosões que ocorreram na terça-feira perto do ônibus em que viajavam os jogadores do Borussia Dortmund estivessem relacionadas com o extremismo islamita.

A equipe, que voltou aos treinos nesta quarta-feira, assegurou que "não cederá ao terrorismo".

A chanceler alemã Angela Merkel se declarou horrorizada com o ataque contra a equipe e prometeu que os investigadores farão todo o possível para localizar e punir os autores.

"Quero que a equipe mostre à sociedade que não cederemos frente ao terrorismo", assinalou o diretor-geral do clube, Hans-Joachim Watzke no Twitter.

O presidente do clube, Reinhard Rauball, por sua vez, anunciou que a operação de Marc Bartra, o zagueiro espanhol que ficou ferido no ataque, foi um êxito.

Bartra sofreu uma intervenção cirúrgica em seu pulso direito, atingido pelos fragmentos de vidro resultantes das explosões.

Segundo o jornal Süddeutsche Zeitung e os canais de televisão WDR e NDR, uma carta encontrada no local reivindica o ataque "em nome de Alá", e fala da participação da Alemanha na coalizão contra o grupo Estado Islâmico (EI), assim como menciona o atentado de dezembro contra uma mercado natalino em Berlim.

Segundo o Süddeutsche Zeitung, os investigadores mantêm a prudência porque "é possível que quem cometeu o ato queira criar uma pista falsa".

De acordo com a agência de notícias alemã DPA, existe outra reivindicação do ataque circulando na internet e que atribuiria o ato a um movimento antifascista.

As três explosões atingiram o ônibus do Borussia Dortmund antes da partida contra o Monaco pelas quartas de final da Liga dos Campeões.

O ônibus iniciou a rota no hotel do time rumo ao estádio, a 10 quilômetros de distância, quando "três cargas explosivas foram detonadas", comunicou o porta-voz da polícia Gunnar Wortmann.

Além de Bartra, um policial que escoltava o veículo também ficou ferido por causa do barulho da explosão.

O goleiro suíço Roman Burki contou que, depois da explosão, "todos nós nos agachamos no ônibus e quem conseguiu se deitou no chão".

A polícia informou que as cargas explosivas provavelmente estavam escondidas em um arbusto.

A Uefa decidiu que a partida Borussia-Monaco seria adiada para esta quarta-feira, em com acordo com as equipes.

A organização da partida anunciou o adiamento do jogo através do sistema de som do estádio. O locutor pediu que o público permanecesse no Signal Iduna Park por quase meia hora antes de sair e garantiu que não havia nenhum motivo para pânico, apesar dos últimos casos de atentados terroristas na Europa.

Depois, os torcedores dos dois times deixaram o estádio sem incidentes. Os cerca de 3.000 torcedores do Monaco presentes saíram aos gritos de "Dortmund! Dortmund!" e cantando o hino francês, sob aplauso do público.

"Como os habitantes de Dortmund e milhões de pessoas, a chanceler está horrorizada com este este ataque contra o ônibus do BVB", declarou o porta-voz de Merkel.

Ele prometeu ainda que os investigadores "farão todo o possível para encontrar e levar ante a justiça os culpados".

- Reforço policial -Nesta quarta-feira, o técnico do Dortmund, Thomas Tuchel, vai conversar com seus jogadores, que na noite de terça-feira voltaram para suas casas.

"Nós podemos imaginar como devem ter dormido", afirmou Rauball.

"Evidentemente é uma situação muito difícil, que a equipe jamais viveu. Mas acreditamos que a equipe dará o melhor de si mesma".

As medidas de segurança na cidade foram reforçadas em torno do estádio para o jogo desta quarta. O ataque contra o ônibus também levou ao reforço da segurança da partida Bayern de Munique-Real Madrid na Allianz Arena da cidade bávara.

Segundo o jornal Bild, 30 policiais com colete à prova de balas vigiam o hotel dos jogadores do Real Madrid. Os ônibus das equipes estão estacionados em um local seguro.

bur-cpb/alf/pc/zm/cn

Twitter

BORUSSIA DORTMUND

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos