Macron e Le Pen iniciam batalha final pela Presidência da França

Paris, 24 Abr 2017 (AFP) - O candidato de centro e pró-europeu Emmanuel Macron e a aspirante da extrema-direita Marine Le Pen iniciaram nesta segunda-feira a batalha final pela Presidência francesa, um duelo entre duas visões antagônicas sobre o futuro da França, da Europa e da globalização.

Macron, um ex-executivo do setor bancário com pouca experiência política, é considerado o grande favorito para o segundo turno da eleição presidencial de 7 de maio, depois de receber 24,01% dos votos no primeiro turno e ficar à frente da líder da Frente Nacional (FN), que recebeu 21,30%, de acordo com resultados definitivos.

O resultado da votação de domingo evidencia um desejo de mudança em um país profundamente dividido, com a eliminação da disputa pela Presidência dos dois grandes partidos tradicionais, Socialista e Os Republicanos, que se alternaram no poder nas últimas cinco décadas.

O presidente em fim de mandato, François Hollande, somou-se nesta segunda-feira a uma longa lista de políticos de esquerda e de direita que expressaram apoio a Macron.

"É impossível ficar calado frente ao risco da extrema-direita", declarou Hollande em um discurso na televisão, no qual anunciou seu voto em Macron.

O centrista, que pediu a união dos "progressistas" ante a "ameaça dos nacionalistas", iniciou nesta segunda-feira as negociações políticas com o objetivo de conquistar a maioria parlamentar nas legislativas de junho, algo indispensável para conseguir governar.

Ao mesmo tempo, Marine Le Pen visitou seu reduto eleitoral no departamento de Pas-de-Calais, norte do país, para tentar mobilizar os eleitores, um dia depois de repetir a façanha alcançada por seu pai em 2002.

"A velha frente republicana apodrecida, que ninguém deseja mais, que os franceses rejeitaram, tenta reunir-se atrás de Macron", denunciou Le Pen, ao comentar uma estratégia que até hoje funcionou para impedir uma vitória eleitoral da extrema-direita na França.

De acordo com pesquisas realizadas após a confirmação dos candidatos do segundo turno, Macron derrotaria Le Pen com facilidade em 7 de maio e se tornaria o presidente mais jovem da história da França, e isto sem nunca ter disputado uma eleição antes.

Para o instituto Ipsos Sopra Steria, o candidato do partido Em Marcha! receberia 62% dos votos, contra 38% para a líder da Frente Nacional. Para a Harris Interactive, a diferença é maior: 64% para Macron e 36% para Le Pen.

- Duelo televisivo -Os dois candidatos ao Eliseu vão se enfrentar em um debate televisionado no dia 3 de maio.

As bolsas europeias fecharam nesta segunda-feira em forte alta em uma demonstração de apoio dos mercados a um candidato que é um fervoroso europeísta, uma euforia compartilhada pelas bolsas asiáticas e o euro.

"É o cenário perfeito com o qual os mercados sonhavam, depois do Brexit e da vitória do protecionista Donald Trump nos Estados Unidos em 2016", afirmou Sebastien Galy, analista do Deutsche Bank AG em Nova York.

As manchetes dos jornais resumiram nesta segunda o terremoto político registrado no domingo e o que está em jogo no segundo turno.

"A direita sofre nocaute", afirmou o conservador Le Figaro. O esquerdista Libération publicou uma foto de Macron com a manchete: "A um passo". "Jamais!", exclamou o comunista L'Humanité, com uma imagem de Marine Le Pen.

O conservador François Fillon, que perdeu a condição de favorito na campanha por um escândalo de empregos supostamente fantasmas de sua esposa e dois de seus filhos, sofreu uma derrota humilhante, com 20,01% dos votos.

O socialista Benoît Hamon, candidato do partido do atual presidente François Hollande, admitiu um "desastre" eleitoral, com apenas 6,36% dos votos.

O que está em jogo no segundo turno foi destacado logo de início pelos dois candidatos: Europa e globalização.

Diante de seus eleitores reunidos na zona sul de Paris, Macron afirmou que levaria a "voz da esperança" para a França e a Europa.

"O que está em jogo nesta eleição é a globalização selvagem que coloca em perigo nossa civilização", afirmou Le Pen, que defende o abandono do euro e propõe um referendo sobre a permanência da França na União Europeia, o que representaria um golpe fatal a um bloco já fragilizado pelo Brexit.

Macron e Le Pen têm duas semanas para convencer os 47 milhões de eleitores.

bur-meb/fp/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos