Detidos na Espanha suspeitos de vínculos com ataques em Bruxelas

Madri, 27 Abr 2017 (AFP) - Dois supostos extremistas detidos na terça-feira na Espanha admitiram ter estado no aeroporto de Bruxelas no mesmo dia dos atentados de março de 2016 na capital belga, embora tenham negado participação nos ataques, informou nesta quinta-feira um porta-voz judicial.

Mohamed Lamsalak e Youssef Ben Hammou, detidos juntamente com outras sete pessoas em uma operação anti-extremista em Barcelona, foram mandados para a prisão "por pertencimento a organização terrorista", informou o porta-voz da Audiência Nacional, alto tribunal especializado em casos de terrorismo.

Ambos foram detidos na terça-feira juntamente com outras sete pessoas em uma operação anti-extremista em Barcelona e arredores, como resultado de uma investigação entre a Espanha e a Bélgica e sob a suspeita de que alguns dos detidos tivessem vínculos com os atentados de 22 de março de 2016, em Bruxelas.

Durante interrogatórios ao juiz, dos quais também participou um magistrado belga que investiga os atentados na capital do país, Lamsalak e Ben Hammou "reconheceram que estavam no aeroporto quando as bombas explodiram", embora "neguem sua participação nos fatos e asseguram que foram a Bruxelas comprar um veículo", segundo o porta-voz.

"Os investigadores tentam elucidar se este dinheiro (para a compra) era para financiar o atentado ou facilitar a logística posterior", destacou.

A investigação determinou que ambos chegaram a Bruxelas em 16 de março de 2016 e partiram no dia 23, um dia depois dos atentados.

Estes ataques, provocados com vários explosivos detonados no aeroporto e no metrô da capital belga e reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI), provocaram 32 mortos e centenas de feridos.

Dos nove detidos na terça-feira, todos homens com idades entre 30 e 40 anos, oito eram marroquinos e o último espanhol, informaram as autoridades após a operação.

Lamsalak e Ben Hammou, dos quais não foi especificada nacionalidade, também admitiram que estavam em Bruxelas "com um primo dos autores materiais do atentado, os dois irmãos que se imolaram", embora tenham negado conhecer os atacantes, acrescentou o porta-voz.

Vínculos com Paris?Durante a operação antiterrorista em Barcelona, a polícia apreendeu na residência de Ben Hammou, nesta cidade do noroeste da Espanha, uma fotocópia de uma folha do Google Maps do trajeto entre Alemanha e Bruxelas de Salah Abdeslam, o único sobrevivente dos comandos que atacaram Paris em 13 de novembro de 2015 e provocaram 130 mortos.

Abdeslam foi detido em 18 de março de 2016 e os investigadores acreditam que sua detenção precipitou os acontecimentos em Bruxelas.

Além disso, com o primo dos dois atacantes de Bruxelas foi encontrada uma chave de um apartamento em Paris "utilizado pelos terroristas que cometeram o atentado na casa [de shows] Bataclan" na capital francesa, acrescentou o porta-voz.

Apesar disso, "os dois detidos negaram qualquer relação com os atentados da França e da Bélgica", insistiu.

Um terceiro detido na terça-feira foi enviado para a prisão por posse de armas e crime contra a saúde pública, dois outros porque eram procurados em dois casos diferentes, enquanto os outros quatro ficaram em liberdade com comparecimentos mensais.

A Espanha, o terceiro destino de turismo do mundo, permaneceu até agora à margem da onda de atentados do EI em grandes cidades europeias, como os que sacudiram Paris, Bruxelas e Berlim.

Em 11 de março de 2004, no entanto, o país foi alvo dos atentados islamitas mais mortais cometidos na Europa, quando uma dezena de bombas explodiu em vários trens de Madri, deixando 191 mortos. Os ataques foram reivindicados em nome Al-Qaeda por uma célula islamita radical.

str-du/mck/bc/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos