Merkel busca vitória na última batalha eleitoral antes de legislativas

Düsseldorf, Alemanha, 14 Mai 2017 (AFP) - O partido da chanceler alemã, Angela Merkel, espera aplicar neste domingo uma derrota nos sociais-democratas em seu reduto da Renânia do Norte-Westfália, a última batalha eleitoral antes das legislativas de setembro.

Mais de 13 milhões de eleitores - um quinto dos inscritos na Alemanha - devem eleger o novo Parlamento da Renânia (centro-oeste), o estado mais populoso do país, além da bacia siderúrgica em plena reestruturação.

Uma vitória dos conservadores da União Democrata Cristã (CDU) ou um resultado apertado seria um golpe para o Partido Social Democrata (SPD) e seu líder Martin Schulz, nascido na região e que busca vencer Merkel nas legislativas e privá-la, assim, de um quarto mandato.

Para a chanceler, a votação na Renânia se apresenta bastante bem. Os dois grandes rivais estão lado a lado, segundo as últimas pesquisas. A situação em 2012 era muito diferente, quando os sociais-democratas superavam os conservadores em treze pontos.

Para o SPD, a vitória é essencial. Depois de duas derrotas recentes nas eleições regionais de Sarre e de Schleswig-Holstein, um terceiro fracasso e além disso em um reduto histórico abalaria seriamente as chances do partido de centro-esquerda nas gerais, segundo meios de comunicação e analistas.

Martin Schulz se apresentou na quinta-feira diante de seus simpatizantes da Renânia com otimismo: "Às vezes você perde, às vezes ganha. Tenho a impressão de que no domingo diremos que vencemos".

Uma vitória pode ajudar a relançar a campanha do ex-presidente do Parlamento Europeu, que atualmente se encontra distante da chanceler Angela Merkel nas pesquisas.

Há algumas semanas, no entanto, quando Schulz anunciou sua candidatura, seu partido registrou um grande crescimento, que parecia que poderia abalar Angela Merkel.

Se a líder social-democrata da Renânia, Hannelore Kraft, vencer, "as oportunidades do SPD de retomar a chancelaria crescerão, se perder quererá dizer que a locomotiva Schulz se chocou contra a parede", resume o semanário Der Spiegel.

Segundo o cientista político Oskar Niedermayer, "uma derrota seria um sinal de desastre" para os sociais-democratas que poderia "enterrar as esperanças da chancelaria para Martin Schulz".

"Em uma região onde o SPD deveria se situar dez pontos à frente da CDU, se chegarmos mesmo que seja à mesma altura será um grande sinal para as legislativas", afirmou Wolfgang Partförder, de 67 anos, ex-prefeito conservador do estado.

O balanço do governo regional liderado pelo SPD é contrastado. No âmbito da segurança, a CDU insiste no fracasso das autoridades locais, que não conseguiram impedir centenas de agressões sexuais cometidas por migrantes, segundo a polícia, na noite de Ano Novo de 2015-2016 em Colônia.

Também critica as autoridades que não detiveram a tempo Anis Amri, autor do atentado extremista de Berlim em dezembro do ano passado e que estava sendo vigiado pela polícia desta região, na qual o jovem tunisiano havia vivido.

No plano econômico e social, enquanto Schulz e seus companheiros insistem em investir nos mais desfavorecidos, os conservadores destacam um desemprego de 7,5%, dois pontos acima da média nacional.

bur-alf/jpl/dar/juf/lbm/pc/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos