Conselho de Segurança avalia novas sanções contra Coreia do Norte

Nações Unidas, Estados Unidos, 16 Mai 2017 (AFP) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniu a portas fechadas nesta terça-feira para discutir um novo esboço de medidas, incluindo sanções, a fim de aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte após seu último disparo de míssil balístico.

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, disse que Washington trabalha com a Pequim, principal aliada de Pyongyang, sobre um novo projeto de sanções e que todos os membros da organização devem incrementar suas ações contra a Coreia do Norte.

"Todos temos que enviar um sinal à Coreia do Norte de 'chega, não é hora de brincar, isso é sério, essas ameaças não são bem-vidas'", disse Haley a jornalistas antes da reunião do Conselho.

"Se um país abastece ou apoia a Coreia do Norte, tomaremos medidas", advertiu. "Nos asseguraremos de que todos saibam e dirigiremos essas sanções também para esse país".

A embaixadora americana também evocou a possibilidade de realizar negociações diretas com a Coreia do Norte caso Pyongyang dê fim aos lançamentos de mísseis e testes nucleares.

"Queremos falar, mas não antes de constatar a suspensão total do processo nuclear e de qualquer teste", disse Haley.

Entretanto, durante a reunião a portas fechadas, a China não mencionou a existência de um projeto com novas sanções e reiterou seu pedido diálogo para reduzir a tensão na península coreana, informaram diplomatas.

No domingo, a Coreia do Norte provou o que parece ser seu míssil balístico de mais longo alcance até o momento, que teria capacidade para transportar "uma ogiva nuclear" ao território continental americano.

Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul convocaram a reunião de emergência em resposta ao teste do míssil e para apoiar pressões internacionais para que a Coreia do Norte mude sua estratégia e desmantele seus programas balístico e nuclear.

Embora ainda não tenha sido distribuído um projeto de resolução entre os 15 membros do Conselho, os Estados Unidos discutem com a China eventuais novas sanções a fim de aumentar a pressão sobre Pyongyang.

"Estamos trabalhando nisso agora, ainda não terminamos", afirmou. "Estamos considerando sanções e veremos até onde chegamos".

- Sanções como opção -Pyongyang realizou dois testes nucleares e dezenas de ensaios de mísseis desde o começo de 2016, em meio a seus esforços para desenvolver um míssil capaz de alcançar o território americano com uma ogiva nuclear.

Em uma declaração unânime e respaldada pela China, o Conselho ressaltou nessa segunda-feira a importância de que a Coreia do Norte "mostre um imediato e sincero compromisso com a desnuclearização através de ações concretas", concordando em tomar eventualmente outras medidas significativas, incluindo sanções.

Entre as medidas possíveis se inclui um embargo petrolífero, comercial e sanções específicas contra pessoas e empresas norte-coreanas, o que depende da determinação da China para aplicá-las.

"As sanções não são um fim em sim mesmas, é verdade, mas as sanções são uma das melhores ferramentas que temos para demostrar de maneira unida a determinação do Conselho de Segurança para pressionar o regime de Pyongyang a fim de que mude sua atitude", disse o embaixador britânico Matthew Rycroft a jornalistas.

A Coreia do Norte também está sob suspeita por parte de investigadores que buscam a origem do ciberataque que afetou mais de 150 países, mas a agência europeia de polícia afirma que ainda é muito cedo para determinar quem promoveu o caos.

Resoluções da ONU proíbem a Coreia do Norte de desenvolver tecnologia de mísseis e balística.

O Conselho de Segurança adotou no ano passado sanções para pressionar a Coreia do Norte e negar a seu líder Kim Jong-Un o financiamento necessário para desenvolver seus programas militares.

cml-wat/oh/ja/yow/cc/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos