Recepção real e megacontrato de armamento para Trump na Arábia Saudita

Riad, Arábia Saudita, 20 Mai 2017 (AFP) - A primeira viagem de Donald Trump ao exterior começou neste sábado com uma recepção calorosa na Arábia Saudita e o anúncio de importantes contratos de mais de 380 bilhões de dólares, incluindo 110 bilhões em venda de armas a Riad para "enfrentar as ameaças do Irã".

O desembarque com grande pompa de Trump em Riad, onde ele pronunciará um discurso sobre o islã, contrastou com a recepção glacial no ano passado ao ex-presidente Barack Obama, criticado pela aproximação do Irã, grande rival regional da Arábia Saudita.

Além das reuniões bilaterais, como a que teve com o rei Salman, Trump dedicou o primeiro dos dois dias de visita a Riad a grandes contratos.

"Foi um dia formidável", disse o presidente republicano. "Bilhões de dólares em investimentos nos Estados Unidos e empregos, empregos, empregos".

A agência oficial saudita SPA informou sobre 34 acordos em áreas tão diversas como defesa, petróleo e transporte aéreo, sem divulgar um valor.

O valor dos investimentos supera 380 bilhões de dólares", declarou o ministro das Relações Exteriores, Adel Al-Jubeir em uma entrevista coletiva ao lado do secretário de Estado americano, Rex Tillerson.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, citou contratos militares de 110 bilhõess de dólares, que apresentou como o "acordo de armamento mais importante da história dos Estados Unidos".

Estes servirão para "apoiar a segurança da Arábia Saudita a longo prazo e do conjunto da região do Golfo ante a maligna influência iraniana e as ameaças vinculadas ao Irã que existem nas fronteiras da Arábia Saudita", declarou Tillerson.

O anúncio aconteceu justamente no dia da reeleição do presidente iraniano Hassan Rohani, que defende a abertura de seu país ao mundo.

Na primeira reação americana ao resultado eleitoral, Tillerson pediu a Rohaní que desmantele "a rede terrorista" de seu país e acabe com os testes de mísseis balísticos.

A Arábia Saudita, majoritariamente sunita, considera o Irã, potência xiita, seu principal rival no Oriente Médio. Os dois países estão em lados diferentes nos conflitos da Síria e Iêmen.

A Casa Branca destacou que os contratos militares reforçarão "a capacidade do reino saudita em suas operações contra o terrorismo na região, o que reduz a carga dos Estados Unidos na condução destas operações".

Washington espera que Riad aumente seu papel na luta contra grupos extremistas como o Estado Islâmico (EI) e a Al-Qaeda.

Na reunião com os dirigentes sauditas, Trump "terá uma mensagem mais dura sobre o Irã, não dará uma lição sobre democracia e direitos humanos e (Trump) será aplaudido", afirmou Philip Gordon, analista do Council on Foreign Relations.

- Tapete vermelho -O rei Salman recebeu pessoalmente o presidente Trump, acompanhado pela esposa Melania, no tapete vermelho estendido aos pés do Air Force One, que pousou pouco antes das 10H00 (4H00 de Brasília) na capital saudita.

Trump se mostrou relaxado, apesar das muitas revelações da imprensa antes de sua partida, que o deixam em uma situação delicada em seu país. Na sexta-feira, o jornal Washington Post afirmou que investigação do FBI sobre os possíveis vínculos da campanha de Trump com a Rússia implica um alto funcionário da Casa Branca.

Além disso, o Senado anunciou que o ex-diretor do FBI James Comey, que permanece em silêncio desde sua repentina demissão, aceitou comparecer a uma audiência, o que pode complicar ainda mais a administração Trump.

Ao pé da escada do avião, o rei Salman da Arábia Saudita apertou a mão de Trump e de sua esposa, a primeira-dama Melania.

Ivanka, a filha mais velha de Trump, e seu marido Jared Kushner integram a delegação oficial americana.

Riad estava repleta de bandeiras sauditas e americanas. As ruas, quase desertas, também estavam decoradas com fotografias do rei e de Trump com a frase "Juntos triunfamos".

A visita a Riad é a primeira escala de uma viagem que também levará Trump a Jerusalém, Belém, Roma, Bruxelas e Sicília. No domingo, o presidente americano pronunciará um discurso sobre o islã para quase 50 dirigentes árabe-muçulmanos, no qual pretende destacar a "esperança" de uma "visão pacífica" do islã.

"Expressarei a posição do povo americano de maneira franca e clara", prometeu Trump em seu discurso semanal, divulgado na sexta-feira à noite.

Há oito ano, Barack Obama, no Cairo, solicitou um "novo começo" entre os Estados Unidos e os muçulmanos de todo o mundo, "um novo começo fundado no interesse mútuo e no respeito mútuo".

Na sexta-feira à noite, a defesa aérea saudita anunciou que "interceptou", 180 km ao sudoeste de Riad, um míssil lançado pelos rebeldes huthis a partir do vizinho Iêmen, cenário de uma guerra há dois anos.

Apesar do incidente, a Arábia Saudita, onde Trump passará dois dias, pode ser a etapa mais tranquila da viagem do novo inquilino da Casa Branca.

Sua viagem o levará a Israel, aos Territórios palestinos, ao Vaticano, a Bruxelas e a Sicília, para as reuniões da Otan e do G7, onde os aliados europeus de Washington esperam obter compromissos claros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos