Rajoy acusa separatistas catalães de chantagear a Espanha

Madri, 22 Mai 2017 (AFP) - O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, acusou nesta segunda-feira (22) os separatistas catalães de chantagear o Estado, ao ameaçarem declarar a separação da Catalunha, caso Madri impeça a realização de um referendo de autodeterminação.

Com base em um artigo do jornal El País, Rajoy acusou o presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, de preparar "uma ruptura de toda a regra do que hoje é a Espanha".

Segundo o jornal que cita um documento secreto, Puigdemont e os partidos separatistas que controlam o Parlamento regional contemplam declarar unilateralmente a separação, se Madri não permitir a organização de um referendo.

"São intoleráveis a chantagem e a ameaça feita", disse Rajoy em entrevista coletiva.

O jornal El País publicou essa informação no mesmo dia em que os dirigentes separatistas catalães, liderados por Puigdemont, pressionaram o governo espanhol a negociar o referendo em uma reunião na prefeitura de Madri.

"À imagem e semelhança do Reino Unido e da Escócia. Estamos dispostos a falar de tudo e com todos: a pergunta, a data, os requisitos de participação e sua validação", afirmou Puigdemont.

"Esperaremos até o último minuto da prorrogação", mas "jamais renunciaremos a que os cidadãos catalães votem para decidir o futuro político da Catalunha, ainda que o governo espanhol continue negando tudo", destacou.

Puigdemont, que promove a consulta para setembro, qualificou como um "erro" levar o projeto do referendo ao Congresso dos Deputados, como foi solicitado pelo governo de Rajoy, sem acordá-lo previamente com Madri.

Seria um "álibi para desfocar [...] a ausência de vontade política do governo", advertiu, citando as duas falhas de propostas soberanistas anteriores no Parlamento: em 2014, para um referendo na Catalunha, e em 2005, para um regime de "livre associação" do País Basco com a Espanha.

Segundo a última pesquisa de um organismo dependente do governo catalão divulgada em março, 48,5% dos habitantes da região se opõem à separação, e 44,3% a apoiam.

As informações do El País foram negadas pela coalizão separatista que comanda a Catalunha, a Juntos Pelo Sim, que afirmou que o referendo acordado é "a prioridade total".

O governo de Rajoy insiste, porém, em seu rechaço categórico ao referendo, enquanto a Justiça espanhola o considera inconstitucional.

bur-dbh/pmr/age/cb/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos