Crescimento populacional representa ameaça sem precedentes à fauna

Paris, 31 Mai 2017 (AFP) - O exorbitante crescimento populacional e consequente explosiva demanda por comida, água e espaço para moradia provocará uma extinção sem precedentes da fauna nos próximos 50 anos, alertaram especialistas nesta quarta-feira (31).

No topo da lista de espécies ameaçadas estão mais de 360 mamíferos africanos de grande porte de África, Ásia e América do Sul - as regiões que concentram a maior biodiversidade no mundo, conforme informações divulgadas na revista científica Nature Insight.

Porém, nem tudo está perdido: uma mudança drástica na dieta humana e métodos agrícolas podem ser alternativas para fornecer "dietas saudáveis" para 10 bilhões de pessoas até 2060, ao mesmo tempo em que preservará hábitats das espécies mais ameaçadas, concluiu o estudo.

"Com ponderação e ações pontuais, esses objetivos podem ser atingidos", destacou.

Sucessivas ondas de extinção de espécies ocorreram com o desenvolvimento do homem moderno, desde sua saída do continente africano à colonização do resto do planeta.

Há 3.000 anos, a Terra perdeu metade dos seus mamíferos terrestres de grande porte -- animais cujo peso chegava a mais de 44 kg --, além de 15% do seu número de aves.

A população humana atual, com sete bilhões de habitantes, é 25 vezes maior que a da época e estima-se que até o fim do século a humanidade terá mais quatro bilhões de bocas para alimentar.

Nos dias atuais, um quarto das espécies de mamíferos e 13% das aves já estão ameaçados de extinção, declararam os autores da pesquisa.

"As estimativas atuais de extinção para pássaros, mamíferos e anfíbios são similares às dos cinco maiores eventos de extinção em massa ocorridos nos últimos 500 milhões de anos, que provavelmente surgiram por causa de impactos de meteoros, atividades vulcânicas e outras forças cataclísmicas", relataram.

Um desses eventos é tido como o responsável pelo desaparecimento dos dinossauros.

A caça, a sacrifício e a caça ilegal põem em risco cerca da metade do número de espécies ameaçadas, dentre elas os mamíferos e pássaros, indica o relatório.

Cultive melhor, coma melhorÁreas de preservação ambiental agora ocupam 14% da superfície terrestre, mas ainda assim a biodiversidade declina mundialmente.

Em algumas partes do continente africano, por exemplo, a população de leões diminuiu a 10% do seu potencial por causa da invasão humana.

Entre os anos de 1970 e 1998, o consumo da carne de animais silvestres em Gana levou a uma diminuição de 80% da população de 41 espécies de mamíferos.

As ameaças à sobrevivência animal aumentaram em paralelo com o crescimento populacional e o aumento da renda disponível.

Mundialmente, seria preciso desmatar 710 milhões de hectares adicionais para atender à demanda alimentícia até 2060. Desse total, 430 milhões de hectares -- quase a metade do tamanho dos Estados Unidos -- estariam na África subsaariana.

Proteger as preciosas criaturas terrestres de tais perspectivas demandará a expansão e uma melhor gestão de áreas de preservação, argumentaram os pesquisadores.

"É preciso atender às práticas de caça e caça ilegal devem ser discutidas, por exemplo, ao fornecer às pessoas formas de subsistência e fontes de proteína alternativos", acrescentaram.

Além disso, a produtividade agrícola -- o cultivo produzido por hectare de terra disponível -- deve aumentar por meio de técnicas que incluam a preservação da fertilidade do solo, e o uso de sementes mais resistentes às pragas e secas.

A alteração das dietas pode ter um impacto positivo, acrescentou o estudo.

Quanto mais dinheiro tem uma sociedade, maior a tendência que tem de esbanjar no consumo de carne e produtos de origem animal, açúcares e amido -- produtos esses que necessitam de vastas áreas de terra e uma imensa quantidade de água para serem produzidos.

Os autores sugerem a inclusão de mais frutas, vegetais, nozes e sementes na dieta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos