Arábia Saudita e aliados rompem com o Catar por apoio ao terrorismo

Riade, 5 Jun 2017 (AFP) - A Arábia Saudita e seus aliados romperam nesta segunda-feira as relações diplomáticas com o Catar, acusando o país de apoiar o terrorismo, o que abre uma grave crise diplomática no Oriente Médio pouco dias após Donald Trump pedir a união dos árabes ante o extremismo.

O Catar rejeitou a decisão, que chamou de "injustificável" e "sem fundamento".

O país denunciou que o objetivo da medida é "colocar o Estado (do Catar) sob tutela" e asfixiá-lo economicamente.

A Bolsa de Doha encerrou a sessão de segunda-feira em forte queda de 7,58% e os moradores da capital correram aos supermercados para estocar alimentos, de acordo com o site Doha News.

A ruptura das relações de Arábia Saudita, Bahrein e Emirados Árabes Unidos, além de Egito e Iêmen com o Catar aconteceu duas semanas após uma visita a Riad do presidente americano, Donald Trump, que pediu aos árabes e muçulmanos uma mobilização contra o extremismo.

A decisão provocou uma reação comedida de Washington - aliado de Riad e de Doha -, que pediu aos países do Golfo que permaneçam "unidos".

A Turquia, país ligado ao Catar, e o Irã fizeram apelos a favor do diálogo. A aproximação de Teerã com o Catar irritou os países vizinhos do Golfo. O Irã xiita é considerado o grande rival regional da sunita Arábia Saudita.

Os dois países romperam relações diplomáticas em janeiro de 2016, após a execução de um líder xiita na Arábia.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, expressou sua "forte preocupação com este novo foco de tensão do mundo árabe" e defendeu o diálogo "frente a desafios sem precedentes, particularmente pela ameaça do terrorismo".

Já o chefe da Liga Árabe, Ahmed Abul Gheit, lamentou a crise e disse estar pronto "para trabalhar para diminuir as diferenças" entre as partes.

Crise mais grave em décadasEsta é a crise mais grave desde a criação em 1981 do CCG, formado por Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã e Catar.

O Catar sempre ocupou um lugar à parte no CCG, com sua própria política regional e afirmando sua influência por meio do esporte, em especial com a organização da Copa do Mundo de 2022.

Arábia, Emirados e Bahrein justificaram a ruptura com o Catar por seu "apoio ao terrorismo", a organizações como Al-Qaeda, Estado Islâmico (EI) e Irmandade Muçulmana, grupo que é considerado "terrorista" pelo Egito e os países do Golfo.

O ministério das Relações Exteriores do Egito informou que o Cairo decidiu "acabar com as relações diplomáticas com o Estado do Catar" porque Doha apoia o "terrorismo".

O Catar foi um dos principais apoios ao ex-presidente islamita egípcio Mohamed Mursi, derrubado em 2013 pelo ex-comandante das Forças Armadas e atual presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sisi. Desde então os dois países têm uma relação tensa.

Alguns analistas temem que a situação provoque a repetição da crise de 2014, quando vários embaixadores de países do Golfo em Doha foram convocados por seus governos, em especial por acusações de que o país apoiava a Irmandade Muçulmana.

Fora da coalizão militarO Catar também foi expulso da coalizão militar árabe que atua no conflito no Iêmen, pelo suposto apoio à Al-Qaeda e ao EI no território iemenita, segundo um comunicado divulgado pela agência oficial saudita SPA.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita está presente há mais de dois anos no conflito do Iêmen para apoiar o governo de Abd Rabo Mansur Hadi, que luta contra os rebeldes huthis, um grupo de milícias xiitas.

O Iêmen também anunciou a ruptura das relações diplomáticas com o Catar.

O conflito iemenita já deixou mais de 8.000 mortos e 45.000 feridos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Arábia Saudita, que tem as Forças Armadas com melhores equipamentos do Oriente Médio depois de Israel, é um dos principais compradores de armas do mundo e também um dos grandes aliados de Washington na região, frente ao Irã e contra o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria e Iraque.

Além da ruptura das relações diplomáticas, os países do Golfo adotaram medidas de represália sem precedentes: fechamento dos espaços aéreos, dos acessos terrestres e marítimos, proibições de viagens ao Catar e de entrada de cidadãos daquele país.

O Egito, além de cortar vínculos diplomáticos, também decidiu fechar as conexões "aéreas e marítimas" com o Catar.

A suspensão dos voos com destino ou origem no Catar foi anunciada pelas principais companhias aéreas do Golfo: Emirates, Etihad , Air Arabia, Fly Dubai, Saudia e Gulf Air.

Em resposta, a Qatar Airways também anunciou a suspensão de todos os voos para a Arábia Saudita.

Além disso, a Arábia Saudita fechou nesta segunda-feira os escritórios da emissora de televisão catari Al Jazeera, reportou a agência oficial de notícias SPA.

Fundada há mais de 20 anos pelo governo do Catar, a emissora tem 80 escritórios em todo o mundo e emite notícias em vários idiomas.

bur-ak/tm/an/jvb-zm-me/fp/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos