Libertado guerrilheiro das Farc que causou tensão em processo de paz

Bogotá, 5 Jun 2017 (AFP) - O governo colombiano anunciou nesta segunda-feira a libertação de um guerrilheiro das Farc capturado durante trabalhos relacionados à implementação do pacto de paz, uma notícia comemorada pelo chefe do grupo rebelde, que chegou a ameaçar adiar a entrega das armas em razão da prisão.

"Confirmamos que às 01H40 (03H40 de Brasília), Jimmy Ríos, membro das Farc, foi libertado", indicou a jornalistas uma porta-voz do Escritório do Alto Comissariado para a Paz, sem fornecer detalhes.

Sob o acordo de paz selado em novembro entre o governo de Juan Manuel Santos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que busca acabar com mais de cinco décadas de conflito, alguns guerrilheiros tiveram seus mandados de prisão suspensos para que pudessem trabalhar na implementação do acordo.

No domingo, o líder das Farc Rodrigo Londoño (Timochenko) denunciou o "reiterado descumprimento" pelo governo da Colômbia do acordo de paz assinado em novembro com a guerrilha, após episódios confusos no fim de semana.

"Diante do reiterado descumprimento do Governo ao Acordo de Paz, as @FARC_EPueblo pedem supervisão internacional. #AlertaPaz", escreveu no Twitter Londoño, que pouco antes anunciou que estava "considerando" adiar a entrega de armas do grupo rebelde após a captura de um guerrilheiro que trabalhava na implementação do acordo.

O líder não especificou, no entanto, a que se referia com "supervisão internacional", já que o processo de paz com guerrilha é monitorado pela ONU, que integra ao lado do governo e do próprio grupo rebelde do Mecanismo de Monitoração e Verificação (MM&V) do cessar-fogo.

Londoño também anunciou a detenção de um segundo guerrilheiro pelas autoridades colombianas: "Apesar de ter ficha do MM&V, José Vásquez, médico das Farc, foi detido hoje (domingo) em um posto de controle em San José del Guaviare (centro)".

A informação se somou à detenção na manhã de domingo de Yimmi Ríos, que trabalhava há dois meses em Bogotá na implementação do acordo.

"Diante da captura de Yimmi Ríos, que está (realizando) tarefas relacionadas com a implementação (do acordo de paz) estou considerando ordenar o adiamento (da) entrega de armas", anunciou Londoño sobre o processo previsto para terminar em 20 de junho.

Sobre o caso de Ríos, o presidente Juan Manuel Santos disse: "Entendi que isso é um problema de identidades e de trâmites burocráticos - isso foi o que meu diretor de polícia me informou, o general (Jorge) Nieto - e que está em processo para ser resolvido".

"O governo continua com seu calendário (para o processo de paz). Esse é o compromisso se será cumprido", apontou Santos ao fim de conselho de segurança em Cartagena (norte) e segundo um comunicado no site da Presidência.

O escritório do Alto Comissariado para a Paz havia informado a jornalistas que Ríos "efetivamente foi preso" no que apontou ser uma confusão.

"Ele tinha uma ordem de prisão suspensa por Resolução Presidencial", mas essa suspensão havia sido feita para "o nome que ele deu", que respondia a "seu codinome na organização e não a seu nome real", explicou.

"Estão fazendo as gestões correspondentes para esclarecer à justiça que se trata da mesma pessoa", acrescentou o escritório.

A Colômbia viveu um conflito armado que durante mais de meio século envolveu guerrilhas, paramilitares e agentes estatais, deixando ao menos 260.000 mortos, 60.000 desaparecidos e 7,1 milhões de deslocados.

dqg-lda/ja/fp/mr

Twitter

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos