Porto Rico decide seus futuros laços políticos com os EUA

San Juan, 11 Jun 2017 (AFP) - Os porta-riquenhos que votarom neste domingo em um plebiscito marcado pela abstenção e boicoteado pela oposição opinaram a favor da anexão aos Estados Unidos, um resultado que o governador prometeu defender nos fóruns internacionais.

Cerca de 2,2 milhões de eleitores foram convocados para escolher entre a anexação, a independência ou por manter o status quo em um prebiscito não vinculante para Washington.

Após o fechamento das urnas às 15H00 (19H00 GMT), a anexação ganhava com folga, com 494.393 votos (98%), segundo informações da Comissão Estatal de Eleições (CEE) às 21H40 GMT (18H40 horário de Brasília).

No entanto, a participação, com 96% das urnas apuradas, era de 23%.

Esses resultados eram previsíveis considerado o boicote dos partidos Independentista Porto-riquenho (PIP) e Popular Democrático (PPD), que consideraram a consulta "uma farsa".

Mas com a divulgação dos resultados cerca de 500 pessoas opostas à realização do plebiscito se reuniram em frente à CEE e queimaram bandeiras americanas, cantando "fogo, fogo, os ianques querem fogo".

Convocados por organizações de esquerda, repudiaram o "centenário da imposição da cidadania norte-americana" aos porto-riquenhos e os 118 anos de "dominação colonial".

O governador de Porto Rico, Ricardo Rousselló Nevares anunciou, após votar pela anexação plena aos Estados Unidos, que defenderá nos fóruns mundiais o resultado do plebiscito.

"Recorreremos aos fóruns internacionais para defender a importância de que Porto Rico seja o primeiro estado hispânico dos Estados Unidos", disse o político, acompanhado de sua esposa Beatriz Areizaga García no município de Guaynabo, a oeste de San Juan.

O presidente do anexionista Partido Novo Progressista (PNP) manifestou que seu governo lutará "em Washington e no mundo inteiro" para conseguir a anexação.

Porto Rico é uma ilha do Caribe que os Estados Unidos tomaram da Espanha em 1898. Em 1952, Washington conferiu à ilha o estatuto de "Estado livre associado", o que lhe dá alguns direitos nos Estados Unidos, como a cidadania e liberdade de movimento, além de alguma autonomia.

Porto Rico atravessa há uma década uma grave crise econômica. A ilha vivia das grandes empresas atraídas por isenções fiscais, mas esses benefícios foram abolidos em 2006, dando início à queda livre.

Hoje, 46% dos seus 3,5 milhões de habitantes vivem na pobreza. A ilha está dizimada por uma dívida de mais de 70 bilhões de dólares que não pode honrar e no mês passado caiu na maior falência de uma entidade americana.

Washington passou a supervisionar suas finanças, mas não mostra vontade de resgatar Porto Rico, entre outras coisas, porque não é propriamente um estado da União.

A consulta teve início às 08h00 (9H00 de Brasília) e vai até 15H00 (16H00 de Brasília). Os resultados são esperados às 22h00 GMT (19h00 de Brasília), de acordo com as autoridades eleitorais.

Michelle Sierra, partidária da plena anexação de Porto Rico, afirma que optou pela "anexação porque merecemos um futuro melhor e os meus filhos merecem um futuro melhor".

"Nós, como povo, precisamos dessa injeção (econômica) como outros estados" para lidar com a crise fiscal, acrescentou.

Sob o status atual, os porto-riquenhos são cidadãos americanos, mas não podem votar em eleições presidenciais, a menos que residam no continente.

O povo da ilha pode entrar e deixar livremente os Estados Unidos e as duas economias estão intimamente ligadas.

Mas os porto-riquenhos são representados no Congresso por apenas um comissário com voz, mas sem voto; e Washington tem a última palavra em assuntos de seus territórios.

No último referendo em 2012, a maioria dos eleitores disse estar descontente com o status atual. Mas desde então nada mudou e Rossello quer tentar novamente.

str-lm/gm/mr/bn/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos