Grenfell Tower: um totem fúnebre no coração da Londres rica

Londres, 15 Jun 2017 (AFP) - No bairro mais rico de Londres, há Ferraris, casas dos sonhos, fachadas coloridas e, agora, um grande edifício de apartamentos calcinado, a Grenfell Tower, antes habitada por moradores humildes.

Nesta quinta-feira, um dia depois de sofrer um incêndio que deixou 17 mortos, o prédio, de 24 andares, assemelhava-se a um grande esqueleto alçando-se até o céu azul.

Aos seus pés, atrás do cordão de segurança, podia-se notar a solidariedade do povo londrino, enquanto o vento espalhava o odor de plástico queimado.

Moradores dos quatro cantos da cidade trouxeram caixas com roupas, comida e água. Sob a ponte da avenida A40, que passa perto do prédio, voluntários se esforçavam para organizar as doações, ao ponto de autoridades pedirem que não se trouxesse mais nada.

"Percebe-se um grande espírito de solidariedade, principalmente da população do bairro", constatou a voluntária Sarah Archer, 34. Em torno dela, vizinhos iam e vinham, entre eles mulheres de véu acompanhadas de crianças.

- 'Uma forte mistura' -"As pessoas se sentem impotentes, não sabem o que fazer e trazem doações", explicou a argelina Sonia, que acabava de consolar uma amiga que procura a família, da qual não tem notícias desde o incêndio.

"Aqui, todos se conhecem. É um bairro muito misturado, com muçulmanos e não muçulmanos, muitas famílias com crianças", explicou a mulher, que, na noite do drama, conseguia ouvir o choro e os gritos que vinham do prédio.

A Grenfell Tower fica no distrito de Chelsea e Kensington, um dos bairros mais ricos do mundo, onde a desigualdade econômica é notável.

Basta caminhar um pouco para o cenário mudar de carros e lojas de luxo para áreas semelhantes a de países pobres.

O premier conservador David Cameron expressou ontem "horror" ao ver seu bairro atingido desta forma. Cameron mora a poucos minutos do prédio, no próspero e boêmio Notting Hill, muito famoso pelo filme estrelado por Julia Roberts e Hugh Grant, por seu carnaval e pelo mercado de Portobello Road.

- 'Muito indignado' -Notting Hill é outro mundo, se comparado aos arredores da Grenfell Tower, rodeada por outros três arranha-céus de mais de 20 andares que, mais do que nunca, não inspiram confiança em seus moradores.

"Vivo há 23 anos nesta torre e nunca me senti seguro", disse Soran Karimi, 31, ao receber a AFP em um prédio em frente à torre incendiada. Tampouco irá esquecer o que viu e ouviu naquela noite.

Hoje, "como muita gente do bairro", está "muito indignado". Os alarmes anti-incêndio não funcionavam. Isso nunca teria ocorrido em Chelsea", bairro do mesmo distrito. "Mas aqui vive a classe operária, pessoas de diferentes origens, às quais não se dá atenção", criticou.

Saber que a premier Theresa May visitou o local hoje o deixa indiferente. "Vem apenas por sua imagem, é uma das pessoas que cortam os orçamentos há anos", reclama Karimi, que espera que a eleição de uma deputada trabalhista nas últimas legislativas mude a sorte do distrito.

"Espero que esta tragédia mude as coisas", disse Nana Akuffo, 46, que mora em outro dos grandes prédios e nunca imaginou que algo semelhante pudesse acontecer "na casa dos ricos".

Em meio a suspeitas de que o revestimento instalado há apenas um ano na fachada da torre tenha tido um papel na rápida propagação do fogo, Akala, rapper e escritor do bairro, disse que ele foi colocado "apenas para que os ricos que vivem em frente tivessem uma visão mais agradável deste prédio horrível", que já quase não existe.

jk-al/mb/lb

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos