Isolamento do Catar pode durar 'anos', segundo ministro dos Emirador Árabes

Paris, 19 Jun 2017 (AFP) - O isolamento do Catar pode durar "anos", advertiu nesta segunda-feiras em Paris uma autoridade dos Emirados Árabes Unidos, que, junto a outros três Estados árabes, impõem um bloqueio a este pequeno reino acusado de apoiar o "terrorismo".

"Não queremos uma escalada, queremos isolar" o Catar, que deve renunciar ao "apoio aos jihadistas e aos islamitas extremistas", explicou o ministro emirense das Relações Exteriores, Anwar Gargash, a um grupo de jornalistas.

Gargash declarou que os adversários do Catar, que romperam relações diplomáticas com Doha há duas semanas, "apostam no tempo".

Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein também fecharam suas fronteiras terrestres e marítimas com o emirado, e impuseram restrições aéreas.

Gargash acusou o emirado de "construir uma plataforma sofisticada de apoio financeiro, midiático e político" aos islamitas radicais e de abrigara vários de seus líderes.

Além disso, indicou que os três países do Golfo mais o Egito entregariam uma lista com suas exigências, incluindo a expulsão de personalidades radicais, sem fornecer mais detalhes.

Gargash considerou que a crise só será resolvida se o Catar "mudar de política", e se comprometer a "cessar seu apoio aos jihadistas e islamitas radicais".

"Estados Unidos, França, Grã-Bretanha ou Alemanha têm o peso político e a experiência técnica para instaurar um mecanismo de vigilância" para garantir o respeito do Catar às exigências impostas, acrescentou o ministro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos