Grandes petroleiras dos EUA defendem imposto sobre carbono

Nova York, 20 Jun 2017 (AFP) - Grandes petroleiras americanas expressaram nesta terça-feira seu apoio à aplicação de uma taxa sobre as emissões de dióxido de carbono (CO2), nocivas ao clima do planeta.

Em um alerta publicado em meios de comunicação americanos, ExxonMobil, BP, Total e Shell defenderam essa taxa, que já tinha sido apresentada em fevereiro com o apoio de notórios republicanos, como os ex-secretários de Estado James Baker e George Shultz, que integram uma organização de combate às mudanças climáticas.

A taxa seria de 40 dólares por tonelada de CO2 e aumentaria progressivamente. O preço da gasolina no posto teria um aumento de 36 centavos de dólar, o que inicialmente significaria uma arrecadação de 200 bilhões de dólares. Esta quantia seria redistribuída em seguida entre as famílias americanas. Estima-se que uma família de quatro pessoas receberia 2.000 dólares.

Esta medida substituiria as aplicadas durante o governo Barack Obama, entre elas o estabelecimento de tetos para as emissões das centrais movidas a carvão.

A taxa sobre o carbono seria uma forma de estimular a redução das emissões, apesar de o presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo mundial de preservação do clima.

O imposto obteve o apoio de outras petroleiras e de companhias como PepsiCo, General Motors, Schneider Electric, Santander, Procter & Gamble, Unilever e Johnson & Johnson.

lo/jum/sha/gm/jb/mvv

EXXONMOBIL

PROCTER & GAMBLE

ROYAL DUTCH SHELL PLC

BANCO SANTANDER

TOTAL

JOHNSON & JOHNSON

GENERAL MOTORS

BP

UNILEVER PLC

SCHNEIDER ELECTRIC

PEPSICO

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos