EUA exortam China a respeitar liberdades em Hong Kong

Washington, 29 Jun 2017 (AFP) - Washington exortou Pequim nesta quinta-feira a respeitar as liberdades civis em Hong Kong, incluindo a liberdade de imprensa, em meio às celebrações do 20º aniversário da devolução do território britânico à China.

O Departamento de Estado afirmou que o sucesso de Hong Kong, a quem foi garantido um alto grau de autonomia quando deixou de pertencer ao Reino Unido, em 1997, se deve ao seu status especial.

"Os Estados Unidos [...] admiram as grandes conquistas da cidade, que são resultado de seu alto grau de autonomia, de suas liberdades econômicas e individuais, e do seu respeito pela lei", afirmou a porta-voz do Departamento de Estado Heather Nauert.

Mas, ao mesmo tempo que valoriza a "excelente cooperação" com o governo de Hong Kong, os Estados Unidos "seguem atentos a qualquer violação das liberdades civis, incluindo intromissões na liberdade de imprensa".

Incidentes recentes em Hong Kong, incluindo o desaparecimento de cinco editores que eram conhecidos por seus títulos sobre os líderes chineses, desataram os temores de que Pequim estivesse limitando as liberdades na cidade.

No ano passado, a Suprema Corte impediu que dois legisladores democraticamente eleitos ocupassem os seus postos depois de usarem termos desrespeitosos para se referir à China no momento de seu juramento.

Hong Kong foi entregue à China com o lema "um país, dois sistemas", elaborado para proteger suas liberdades e forma de vida.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos