UE alerta sobre mudanças climáticas com ato em geleira no Equador

Vulcão Antisana, Ecuador, 30 Jun 2017 (AFP) - Ao pé de uma geleira que derrete rapidamente no Equador, vários embaixadores da União Europeia fizeram um chamado nesta quinta-feira a combater o aquecimento global, em um ato simbólico abertamente crítico à retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima.

O Antisana é um vulcão nevado potencialmente ativo de 5.700 metros de altura, 50 km a sudeste de Quito e que coroa uma extensa reserva ecológica de páramos e florestas andinas.

Os representantes da União Europeia e de vários estados-membros (França, Alemanha, Espanha e Reino Unido) no Equador escolheram esta paisagem extraordinária para denunciar que a poluição da atmosfera está acelerando a deterioração do planeta.

Subiram 4.800 metros, até o ponto onde começa a geleira e o degelo é facilmente perceptível, e colocaram uma bandeira com a frase "Make the planet green again" (Torne o planeta verde de novo).

Trata-se de uma versão do "Make the planet great again" (Torne o planeta grande de novo), que o presidente francês, Emmanuel Macron, usou para parafrasear o slogan de campanha do presidente Donald Trump, "Make America great again" (Torne os Estados Unidos grande de novo), após ele anunciar, no início do mês, a retirada do seu país do Acordo de Paris sobre o clima.

O pacto, assinado por 196 países em 2015 e que teve o então presidente americano, Barack Obama, como um dos seus principais arquitetos, pretende conter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC em relação à era pré-industrial.

"Não tenho palavras para descrever a tristeza de ver que isto está desaparecendo. Aos que pensam que as mudanças climáticas não existem, deveriam vir aqui e vê-las", disse à AFP a embaixadora da União Europeia, Marianne Van Steen.

Os cientistas asseguram que em 20 anos houve um retrocesso desta geleira de cerca de 350 metros, e que até 2050 poderia diminuir até os 5.300 metros de altura.

Para Luis Maisincho, pesquisador do Instituto Nacional de Meteorologia e Hidrologia do Equador, afirma que o retrocesso do Antisana é "irreversível".

O retrocesso das geleiras tropicais andinas "é grave para as cidades da região, como Quito, La Paz e Lima, que dependem em certo grau delas para seu abastecimento de água potável", acrescenta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos