Transporte aéreo mundial vai precisar de 250 mil pilotos em 10 anos

Paris, 13 Jul 2017 (AFP) - Com o intenso crescimento do tráfego aéreo mundial, a demanda por pilotos é cada vez maior. Contudo, o setor dependente da conjuntura econômica não conseguiu se antecipar à necessidade e agora encara falta de mão de obra qualificada.

Nos próximos dez anos, a aviação comercial vai precisar contratar cerca de 250 mil pilotos no mundo todo, segundo estudo publicado em junho no Salão Aeronáutico Le Bourget (França) pelo CAE, companhia especializada em formação no setor da aviação civil.

Para manter o crescimento da indústria do transporte aéreo comercial, o informe recomenda a formação de 180 mil copilotos que, mais tarde, serão promovidos comandantes de bordo, "número superior a todas as décadas anteriores".

Diante do robusto tráfego de passageiros, crescendo 4,5% ao ano, as fabricantes Boeing e Airbus estão apostando em dobrar suas frotas de aeronaves nos próximos 20 anos, com a maior parte da demanda vinda da Ásia

Contudo, mais aviões significam mais pilotos. E esse mercado está "tenso" há seis meses ou um ano, garante Philippe Crébassa, diretor adjunto da Enac, maior escola aeronáutica da Europa, em Toulouse, na França.

Apesar de as previsões dos fabricantes há anos alertarem para a "necessidade maciça" de pilotos, as companhias aéreas não conseguiram prever "a recente recuperação positiva, repentina e brutal" da conjuntura, disse à AFP Crébassa, que também é piloto de aviões privados.

O setor aéreo segue de perto o crescimento econômico e, até aqui, as companhias aéreas "sempre quiseram contratar o número exato [de pilotos], sem se arriscar", apontou o especialista.

Agora, porém, todas as companhias serão afetadas pela escassez, principalmente as chinesas, que já se viram obrigadas a adiar a compra de novos aviões ou cancelar voos.

Na França, os sindicatos da filial da Air France, Hop!, convocou nesta semana uma greve para protestar pela falta de funcionários e denunciar o cancelamento de voos por esse motivo.

"Cada vez mais as companhias pedem aos fabricantes soluções para ter pilotos o bastante", explica Crébassa, cuja escola forma cerca de 450 pilotos por ano, 90% deles estrangeiros.

"Formar um piloto é algo difícil, custa tempo e dinheiro", e os salários ainda são altos, apontou um piloto da Air France que não quis se identificar à AFP.

A formação de um copiloto leva dois anos e meio. Para virar comandante, as companhias levam entre cinco e dez anos.

Uma solução é a automatização das cabines de controle, mas, além de cara, ela enfrente reticência, um problema de "aceitação social e dos clientes", segundo Didier Brechemier, especialista em transporte aéreo da consultora Roland-Berger.

pan/ef/pc/age/ll/cc

BOEING

CAE

AIRBUS GROUP

AIR FRANCE-KLM
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos