Os escândalos de pedofilia na Igreja Católica

PARIS, France, 18 Jul 2017 (AFP) - Muitos casos de pedofilia cometidos por membros do clero, inúmeras vezes acobertados por sua hierarquia, foram denunciados nos últimos 25 anos, como o escândalo no coral alemão de Regensburger, onde 547 crianças foram vítimas de abusos, incluindo estupro, de acordo com um relatório divulgado nesta terça-feira (18).

- Alemanha -Desde o início de 2010, centenas de casos de abusos sexuais de crianças e adolescentes em instituições religiosas foram revelados.

Um dos casos mais divulgados foi o do colégio jesuíta Canisius em Berlim, envolvendo cerca de 20 crianças.

- Austrália -O número três do Vaticano, o cardeal australiano George Pell, foi indiciado em junho de 2017 por "delitos de agressões sexuais". Não se divulgou informações sobre as idades das vítimas.

Pouco antes, ele havia reconhecido ter "falhado" ao lidar com os padres pedófilos no estado de Victoria nos anos 1970.

Segundo uma investigação pública iniciada em 2013, "7% dos padres seriam supostos autores" de abusos sexuais contra crianças na Austrália entre 1950 e 2010.

- Áustria -Após uma série de revelações no início de 2010 de casos de abusos sexuais e de maus-tratos por parte de padres entre as décadas de 1960 e 1980, uma comissão de inquérito é criada pela Igreja.

Cerca de 800 casos foram identificados e 8 milhões de euros concedidos às vítimas.

Dois casos de particular impacto fizeram o Vaticano afastar dois prelados ultraconservadores: o arcebispo de Viena Hans Hermann Groër e o bispo de Sankt-Pölten Kurt Krenn.

- Bélgica -Em 2010, o então bispo de Bruges, Roger Vangheluwe, renunciou após admitir ter abusado sexualmente de dois de seus sobrinhos.

Na sequência, milhares de testemunhos relataram casos de abuso sexual por religiosos belgas.

Desde 2012, a Igreja da Bélgica já pagou 4,13 milhões de euros às vítimas.

- Canadá -No final dos anos 1980, as revelações de abusos de crianças em um orfanato em Newfoundland (leste) nos anos de 1950 e 1960 provocaram um enorme escândalo. A hierarquia religiosa também foi acusada de não ter denunciado os casos de pedofilia em suas fileiras.

- Estados Unidos -Entre 1950 e 2013, a Igreja americana recebeu denúncias de cerca de 17.000 vítimas de abusos cometidos por cerca de 6.400 membros de seu clero entre 1950 e 1980. Em 2012, especialistas estimaram em 100.000 o número de crianças vítimas de pedofilia.

Um dos casos mais notórios envolveu o arcebispo de Boston, cardeal Bernard Law, que foi forçado a renunciar em 2002 por ter protegido padres pedófilos.

Em 2007, a Arquidiocese de Los Angeles, então liderada pelo cardeal Roger Mahony, concordou em pagar 660 milhões dólares para 500 supostas vítimas.

Acusado de acobertar os padres pedófilos,Mahony foi demitido do cargo no início de 2013.

- Irlanda -Nos anos 2000, acusações de abusos sexuais cometidos durante décadas coloca em xeque a credibilidade das instituições católicas. Mais de 14.500 crianças teriam sido vítimas. Vários bispos e padres, acusados de esconder esses atos, foram punidos.

- México -Acusado de ter protegido um padre pedófilo, o monsenhor Gonzalo Galván Castillo, bispo de Autlan (oeste), é forçado a renunciar em 2015.

O fundador da congregação dos Legionários de Cristo, padre Marcial Maciel, foi forçado a renunciar em 2006, acusado de abusos sexuais e maus-tratos contra crianças.

- Holanda -No final de 2011, um relatório revelou o caso de "dezenas de milhares de crianças" abusadas sexualmente dentro da Igreja católica holandesa entre 1945 e 2010. Cerca de 800 supostos autores foram identificados.

- Polônia -Em agosto de 2013, o polonês Jozef Wesolowski, núncio na República Dominicana, foi destituído. Uma investigação foi instaurada por causa de outro padre polonês, suspeito de crimes contra menores.

- França -Em 2016, o caso do padre Bernard Preynat, suspeito de ter abusado de cerca de 70 escoteiros, manchou a imagem do cardeal Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon, denunciado por não expor os crimes.

Em junho de 2017, o ex-bispo de Orleans (centro), monsenhor André Fort, foi indiciado por não ter denunciado abusos sexuais contra menores. Antes dele, o monsenhor Pierre Pican, bispo de Bayeux, foi condenado a três meses de prisão com sursis, também por não denunciar os crimes à Justiça.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos