Catar se diz disposto ao diálogo para solucionar crise do Golfo

Doha, 21 Jul 2017 (AFP) - O emir do Catar afirmou nesta sexta-feira estar disposto ao diálogo, com algumas condições, para solucionar a crise entre seu país e a Arábia Saudita e seus aliados.

"Estamos abertos ao diálogo para solucionar os problemas pendentes", declarou o xeque Tamim Ben Hamad Al Thani em um discurso televisionado, o primeiro desde o início da crise, em 5 de junho.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito romperam as relações diplomáticas com o Catar, acusado de apoiar o terrorismo e de aproximação com o Irã, grande rival regional do reino saudita.

O chefe de Estado catariano colocou como condição para o diálogo "que se respeite a soberania e a vontade de cada Estado".

"A solução não deve chegar na forma de imposições, e sim de compromissos comuns e obrigatórios para todas as partes", acrescentou.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito impuseram fortes sanções econômicas ao emirado.

Para suspendê-las, em 22 de junho, exigiram que Doha cumprisse 13 determinações, incluindo o fechamento da rede de televisão Al-Jazeera e de uma base turca, assim como uma revisão de seus vínculos com o Irã.

O Catar rejeitou as reivindicações, considerando-as uma violação de sua soberania.

- 'Luta sem descanso' -O xeque Tamim defendeu sua política. "Catar luta incansavelmente contra o terrorismo", que Doha considera "um crime contra a humanidade", afirmou.

Ele acusou seus quatro oponentes de querer "impor [sua] tutela" ao Catar e de "atentar contra a liberdade de expressão e o direito de informação", em referência ao pedido de fechamento da Al-Jazeera.

Sua intervenção acontece um dia depois de anunciar que o Catar modificará sua lei de combate ao terrorismo.

A emenda foi saudada na sexta-feira como um "passo positivo" pelo ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes, Anwar Gargash.

A nova lei define os termos de "terroristas, crimes e entidades terroristas assim como o de financiamento do terrorismo".

- 'Passo positivo' -"É um passo positivo para tratar com seriedade a lista de 59 terroristas", explicou Gargash em Twitter.

Riad e seus aliados publicaram em 9 de julho uma lista com 59 pessoas e 12 entidades que, segundo eles, estariam "vinculadas ao Catar e a serviço de um programa político suspeito do Catar". Doha rejeita a acusação por ser "infundada".

"As pressões ligadas à crise começam a dar resultado", opinou Gargash. "O mais sábio [para o Catar] é mudar totalmente de orientação" política, acrescentou.

Na semana passada, Estados Unidos e Catar assinaram um acordo sobre "a luta contra o financiamento do terrorismo", durante uma viagem do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, pela região.

Tillerson disse estar "satisfeito" com os esforços do Catar para tentar solucionar a crise ao receber na sexta-feira em Washington seu homólogo de Omã, país que se mantém neutro sobre a crise.

"Estamos satisfeitos com os esforços que fizeram. Espero que os quatro países (Arábia Saudita, Emirados Árabes, Egito e Bahrein) vejam nisso um sinal de boa vontade e suspendam o bloqueio, que realmente tem um impacto sobre o povo do Catar", afirmou o secretário de Estado americano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos