Itália rejeita "lições" de seus vizinhos sobre migrantes

Roma, 22 Jul 2017 (AFP) - O primeiro-ministro italiano Paolo Gentiloni rejeitou nesta sexta-feira as "lições" a seu país sobre a crise migratória, uma resposta às críticas de vários países do leste europeu que exigem que seu país impeça a chegada de migrantes.

"Não aceitamos lições e menos ainda as palavras improváveis e ameaçadoras como as que ouvimos nos últimos dias por parte de nossos vizinhos", disse Gentiloni na sexta-feira à noite em Turim (norte).

"Cumprimos com nosso dever e queremos que o conjunto da Europa faça o mesmo, junto com a Itália", afirmou, se referindo a pedidos da Áustria e de quatro países vizinhos (Polônia, República Tcheca, Eslováquia e Hungria) para que a Itália feche a fronteira para os migrantes, como pediu na sexta o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, em declaração a rede de rádio.

Orban, junto com seus homólogos da Polônia (Beata Szydlo), da República Tcheca (Bohuslav Sobotka) e da Eslováquia (Robert Fico), mandaram recentemente uma carta a Gentiloni sobre a questão migratória.

Os quatro dirigentes ofereceram ajuda à União Europeia, sobretudo financeira, e propuseram criar melhores condições nos centros de acolhida fora da Europa assim como abandonar a repartição forçada de migrantes entre os países do continente.

Segundo os últimos balanços da Organização Internacional para as Migrações (OIM), um organismo das Nações Unidas, 111.514 migrantes e refugiados chegaram à Europa pelo mar desde 1 de janeiro, 85% deles na Itália. Morreram na travessia 2.360 pessoas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos