Pequim pede a Washington fim dos voos de reconhecimento

Pequim, 25 Jul 2017 (AFP) - A China pediu aos Estados Unidos, nesta terça-feira (25), que cesse seus voos de reconhecimento perto de sua costa, depois de um incidente aéreo no Mar da China Oriental.

O Pentágono informou ontem (24) que um de seus aviões de vigilância foi forçado a realizar no dia anterior uma manobra evasiva, após ser interceptado por dois caças chineses no espaço aéreo internacional a oeste da península coreana.

A reação dos caças chineses foi "legal, necessária e profissional", assegurou o Ministério da Defesa da China no Weibo, o Twitter chinês.

O Ministério acusou o piloto americano de "ameaçar a segurança nacional da China, prejudicar a segurança naval e aérea dos dois países e de colocar em perigo a segurança dos pilotos".

Os Estados Unidos "devem parar imediatamente essas atividades militares perigosas, hostis e não profissionais", ressalta o comunicado.

O porta-voz da Chancelaria chinesa, Lu Kang, assegurou que a China respeita as regras internacionais de segurança da aviação.

"A China espera que os Estados Unidos parem com tais ações e façam o necessário para evitar tais incidentes no futuro", insistiu o porta-voz.

Em 2001, uma colisão entre um avião espião americano e um caça chinês no sul da China provocou a morte do piloto chinês e um incidente diplomático entre as duas potências.

O avião americano foi forçado a aterrissar em território chinês e seus 24 tripulantes permaneceram detidos por dez dias antes de serem encaminhados para os Estados Unidos.

jch-bar/ehl/cr/zm/mr/tt

TWITTER

WEIBO

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos