Venezuela acusa EUA de fazer crer que está 'à beira de uma guerra'

Caracas, 29 Jul 2017 (AFP) - O governo de Nicolás Maduro denunciou nesta sexta-feira que os Estados Unidos distorcem a realidade para fazer crer que a Venezuela está "à beira de uma guerra", depois de Washington ordenar que seus diplomatas tirem seus familiares do país.

"Estão criando a sensação de que estamos à beira de uma guerra e que a insurreição fascista que promovem está vencendo", disse o chanceler Samuel Moncada a convidados internacionais para a eleição, no domingo, de uma Assembleia Constituinte.

O Departamento de Estado americano determinou na quinta-feira a saída das famílias de seus diplomatas e autorizou a partida voluntária de seus funcionários na Venezuela, devido à crise política e à violência.

Moncada afirmou que a medida chegou justamente quando seu governo estava em "processo de oferecer garantias" a todas as delegações estrangeiras presentes no país.

"Isso não fazem no Iraque, não fazem nos países onde eles bombardeiam", afirmou o chefe da diplomacia venezuelana, que atribuiu o alerta a uma "operação de desinformação" da Agência Central de Inteligência (CIA).

A Venezuela vive momentos de alta tensão por protestos opositores que exigem a saída de Maduro e rejeitam a Constituinte, e que deixaram 113 mortos em quatro meses.

Os adversários de Maduro prometem boicotar as eleições de domingo, apesar de que o governo proibiu manifestações que afetem o processo e advertiu que os infratores enfrentarão até dez anos de prisão.

Na atualização do seu alerta de viagens, o Departamento de Estado americano disse que "a situação política e de segurança na Venezuela é imprevisível e pode mudar rapidamente".

Moncada afirmou que os Estados Unidos querem gerar uma reação em "cadeia" em outras embaixadas. Na quinta-feira, o Canadá também recomendou a seus cidadãos evitarem viajar à Venezuela, e disse para os que já estão no país saírem.

O ministro vinculou essas medidas com a decisão de linhas aéreas como a Avianca, na quinta-feira, de suspender seus voos para a Venezuela alegando "limitações operativas".

Nesta sexta-feira, a Air France anunciou a suspensão de seus voos entre Paris e Caracas entre 30 de julho e 1º de agosto, "devido à situação na Venezuela".

"Air France recorda que a segurança de seus clientes e de suas tripulações é sua prioridade".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos